+55 41 3026.2610

Notícias Central Press

Estudantes curitibanas são premiadas na USP

Postado no dia: 28 de Março de 2017
Estudantes curitibanas são premiadas na USP

  1. Cindy Maureen Rossoni Honjo e Júlia Beatriz Vaz de Oliveira após premiação(Divulgação)
  2. Cindy Maureen Rossoni Honjo e Júlia Beatriz Vaz de Oliveira no estande da Febrace(Divulgação)
  3. Luísa Deztel após premiação(Divulgação)
  4. Luísa Deztel durante exposição na Febrace(Divulgação)

Temas com caráter social foram escolhidos entre mais de 300 finalistas na Febrace 2017

Dois trabalhos científicos do Colégio Positivo, de Curitiba, obtiveram reconhecimentos de destaque na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que aconteceu entre os dias 21 e 23 de março, na Universidade de São Paulo (USP). A estudante do 1° ano do Ensino Médio, Luísa Detzel ficou em 3º lugar entre os projetos de Ciências Humanas, com um estudo sobre a origem da honestidade. Já as estudantes do 2° ano do Ensino Médio, Cindy Maureen e Júlia Beatriz Vaz de Oliveira, receberam o prêmio da Revista InCiência, que publicará o artigo das alunas sobre o Innovative Absorbent Gel (Gel Absorvente Inovador, em português), que foi destaque por apontar uma solução contra a proliferação do Aedes Aegypti.

A feira, que acontece desde 2003, contou com mais de dois mil projetos inscritos neste ano, sendo que destes, apenas 346 foram para a etapa final de mostras. Segundo a professora Irinéia Inês Scota, coordenadora da Mostra de Soluções do Colégio Positivo, estudantes que participam de um evento como a Febrace oportunizam o desenvolvimento de projetos investigativos criativos e significativos para a sociedade. “Por isso, nós incentivamos nossos alunos a se envolverem com assuntos que estimulam o empreendedorismo, a criatividade, a inovação e o espírito científico”, salienta. “Nossas alunas representantes defenderam seus projetos com amor, muito suor, superação e dedicação. Respeitaram todo e qualquer tipo de público que assistiu às apresentações, ouviram com atenção e interesse as dicas dos avaliadores, interagiram com os avaliadores, professores, público e outros participantes com hombridade, simpatia, talento e respeito”, conta, orgulhosa, Irinéia.

Conquistas relevantes para a sociedade

Luísa Detzel, além de ficar em terceiro lugar entre os projetos de Ciências Humanas, ganhou uma credencial para a Feira Mineira de Iniciação Científica (FEMIC), que acontece de 16 a 18 de agosto, em Mateus Leme (MG). Segundo ela, participar da Febrace foi recompensador e a experiência da mostra expandiu seu modo de pensar sobre a esfera científica. “A Feira me impactou principalmente por ter tantas pessoas, de tantos lugares, lidando com a pesquisa com tamanha importância e tendo tanto amor por aquilo que estava fazendo”, ressalta. A pesquisa, orientada pela professora de Língua Portuguesa, Claudia Cristiane Secco Morgenstern, teve como objetivo descobrir se a honestidade é herdada ou moldada pela influência da sociedade.

Já as alunas Cindy Maureen Rossoni Honjo e Júlia Beatriz Vaz de Oliveira apontaram uma solução contra a proliferação de mosquitos por meio de focos de água parada. A experiência consiste em utilizar um polímero superabsorvente que, quando em contato com a água, cria uma espécie de gel, impedindo que as larvas do Aedes Aegypti se desenvolvam. As estudantes contam que a mostra do projeto na Febrace serviu não só para o reconhecimento de importantes personagens do meio científico, como a Revista InCiência, mas também para uma maior elaboração do projeto. “Todos os avaliadores acrescentaram algo a mais no trabalho, com críticas e dicas para melhorar”, ressalta Cindy. O projeto foi elaborado com o auxílio do professor de Biologia do Colégio Positivo, Guilherme Rodrigo Teitge e do professor de Química, Paulo C. Bega.

Outro ponto destacado pelas alunas foi o apoio que receberam de seus professores e do Colégio como um todo. Júlia lembra das etapas que a levaram à feira e reforça a necessidade dessas motivações. “A educação que tivemos voltada para a ciência e os projetos da escola, como a Mostra de Soluções, realmente geram frutos muito bons, não só como a Febrace, mas na formação de alunos que têm a curiosidade e a mentalidade científica”, disse.

De acordo com a diretora pedagógica da Editora Positivo, Acedriana Vicente Sandi, “a iniciação científica recebe grande incentivo dentro do Sistema Positivo de Ensino, uma vez que a proposta é justamente a de uma formação cidadã dos indivíduos por meio de um processo de ensino questionador, onde o professor age de modo interativo e articulador, e o aluno atua como protagonista, investigador”.

Sobre o Colégio Positivo

O Colégio Positivo compreende quatro unidades na cidade de Curitiba, nas quais nasceu e se desenvolveu o modelo de ensino levado a todo o país e ao exterior. O Colégio Positivo Júnior, o Colégio Positivo – Jardim Ambiental e o Colégio Positivo – Ângelo Sampaio atendem alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, sempre combinando tecnologia aplicada à educação, material didático atualizado e professores qualificados, com o compromisso de formar cidadãos conscientes e solidários. Os alunos têm à sua disposição atividades complementares esportivas e culturais, assim como aulas de Língua Inglesa diferenciadas. Em 2013, foi lançado o Colégio Positivo Internacional, que atende alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, com uma proposta de aprendizado internacional.

Sobre o Sistema Positivo de Ensino

É o maior e mais tradicional sistema voltado ao ensino particular no Brasil. Com um projeto sempre atual e inovador, ele oferece às escolas particulares diversos recursos que abrangem alunos, professores, gestores e também a família do aluno com conteúdo diferenciado. Para os estudantes, são ofertadas atividades integradas entre o livro didático e plataformas educacionais que o auxiliam na aprendizagem. Os professores recebem propostas de trabalho pedagógico focadas em diversas disciplinas, enquanto os gestores recebem recursos de apoio para a administração escolar, incluindo cursos e ferramentas que abordam temas voltados às áreas de pedagogia, marketing, finanças e questões jurídicas. A família participa do processo de aprendizagem do aluno recebendo conteúdo específico, que contempla revistas e webconferências voltados à educação.

Sobre a Editora Positivo: fundada há 37 anos, a Editora Positivo tem a missão de construir um mundo melhor por meio da educação. Tendo as boas práticas de ensino como seu DNA, a Editora especializou-se ao longo dos anos e tornou-se referência no segmento educacional, desenvolvendo livros didáticos, literatura infantil e juvenil, sistemas de ensino e dicionários. A Editora Positivo está presente em milhares de escolas públicas e particulares com os seus sistemas de ensino. Amplamente recomendados pela área pedagógica e reconhecidos pelos seus resultados, os sistemas foram criados de modo a atender a realidade de cada unidade escolar. Para a rede pública a editora disponibiliza o Sistema de Ensino Aprende Brasil. Já as escolas particulares contam com o Sistema Positivo de Ensino e com o Conquista. Cerca de 2 milhões de alunos utilizam os sistemas de ensino da Editora Positivo, em escolas públicas e particulares, no Brasil e no Japão.

Todas as notícias