Artigo: Universidade pública e gratuita: o fio de Ariadne

Daniel Medeiros*

Os gregos tinham a Ágora. O espaço público no qual todos os cidadãos podiam frequentar como iguais, mesmo que uns fossem mais ricos que outros. Foi uma grande invenção: podia ser bem nascido, podia ser abonado, mas se fosse cidadão, teria direito à voz. Isegoria, o direito de falar sem ser interrompido e, assim, dar a sua contribuição para a busca de consenso. Peça chave da democracia. É fato que a realidade de fora da Ágora fosse a desigualdade e, nas relações privadas, a origem social e o poder econômico tivessem um peso dominante. A res pública, porém,  era discutida no seu âmbito próprio e, se ali alguém se destacasse em demasia, prejudicando a isonomia, votava-se para afastá-lo da Assembleia.
Essa é a lição dos antigos. A democracia não é o conforto do lar nem a placidez do clube. A democracia é como um elevador cheio de gente. Ninguém está plenamente satisfeito, mas, se todo mundo cooperar emantiver o mesmo nível de respeito e civilidade, todo mundo vai para onde quiser, sem prejudicar ou impedir os outros. Na nossa República, inaugurada por um golpe militar, dado de madrugada, ao arrepio do conhecimento da população – que viu tudo “bestializada” – há público mas não há povo, como bem disse Lima Barreto. O Estado Republicano sempre teve dono, essa é a síntese do nosso país. As autoridades nunca foram o Sr. Povo, de onde deveria emanar todo o poder. Os arranjos por cima garantiram que as políticas públicas só fossem elaboradas por quem pudesse pagar por elas. E as reações cívicas, republicanas, isto é, populares, foram reprimidas duramente pelas forças armadas pagas pelo erário público para manter o público longe do erário.
Depois veio a ideologia. Ser popular tornou-se ser de “esquerda”. Os valores “corretos” para o país amalgamaram-se com os valores dos que mandavam no país. Até o espírito “pacífico e ordeiro” do povo foi-lhe impingido pelos mandatários: “seja pacífico ou apanhas!”. De público sobraram tão poucos espaços. A universidade é, sem dúvida, o mais importante deles. Ali, como quase mais em nenhum lugar, ainda o que vale é a busca pelo conhecimento, a pesquisa, o saber, as soluções que servem ao público, ao país, às próximas gerações. Ali, um corpo docente e funcional, concursado, segue um plano de carreira e troca recursos por serviços prestados e comprovados. Ali, as ideias conflitam e cotejam-se, formando as cabeças bem feitas de que falava Montaigne. Ali, há os ricos, os remediados e os sem remédio. Mas não lhes chamam por esse nome, mas sim, universitários. A utopia do todo, do imenso, do grandioso, do compartilhado (universo!) ali se materializa.
Os gregos inventaram o mito de Teseu, do Minotauro e de Ariadne. Um fio de confiança permitiu ao herói sair do labirinto depois de matar o monstro e salvar seus compatriotas. Um fio de confiança foi o suficiente para que uma civilização não perecesse diante da besta que engolia jovens sem pudor ou remorso. A universidadepública é esse fio. Mantê-la como é, públicagratuita, indiferente às diferenças que enfeiam ou embelezam as pessoas, é o seu grande mérito. Lá dentro, só uma coisa interessa: dar voz a todos, ouvir a todos e buscar, junto com todos, saídas para nossa polis. Saídas comuns, coletivas. De elevadores sociais e “de serviço”, nossa República já está farta.
 
*Daniel Medeiros é Doutor em Educação Histórica pela UFPR e professor no Curso Positivo.

Share:

Latest posts

Aposentada Anete Langaro retomou atividades dias após realizar artroplastia total de joelho Créditos: Arquivo pessoal
Técnicas avançadas favorecem cirurgias menos invasivas em idosos
Tatielle Alyne, atleta de futebol feminino de 19 anos, tem difícil missão de lidar com uma lesão enquanto corre atrás de seus sonhos no esporte Créditos: Arquivo pessoal
Mulheres enfrentam maior risco de lesões em joelhos na prática de esporte
Espaços para prática da fé em hospitais são demonstração de respeito às necessidades de pacientes e familiares Créditos: Divulgação
Espaços para prática da fé e espiritualidade são aliados no tratamento e internações médicas

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Aposentada Anete Langaro retomou atividades dias após realizar artroplastia total de joelho Créditos: Arquivo pessoal
Técnicas avançadas favorecem cirurgias menos invasivas em idosos
Hospitais registram crescimento superior a 40% em procedimentos para pacientes acima de 70 anos; avanços...
Saiba mais >
Tatielle Alyne, atleta de futebol feminino de 19 anos, tem difícil missão de lidar com uma lesão enquanto corre atrás de seus sonhos no esporte Créditos: Arquivo pessoal
Mulheres enfrentam maior risco de lesões em joelhos na prática de esporte
Estudos indicam que chance é até oito vezes maior entre as jogadoras e o futebol é campeão nesse tipo...
Saiba mais >
Espaços para prática da fé em hospitais são demonstração de respeito às necessidades de pacientes e familiares Créditos: Divulgação
Espaços para prática da fé e espiritualidade são aliados no tratamento e internações médicas
Acolhimento se estende a pacientes, familiares e profissionais da saúde, com iniciativas perto de centros...
Saiba mais >
Grupo Marista
Presidente do Grupo Marista é nomeado chefe provincial da Província Marista do Brasil Centro-Sul
Nesta segunda-feira (25/03), o Irmão Vanderlei Siqueira dos Santos foi nomeado Superior Provincial da...
Saiba mais >