Devolver ou reformar? Escritórios corporativos ganham novas funções a partir do escalonamento de equipes

Ficou para trás o tempo em que as mesas no trabalho eram personalizadas com fotos da família, canecas especiais, enfeites e artigos pessoais. Até os aparelhos de telefone estão com dias contados. Já pensando no retorno ao trabalho presencial – ou pelo menos, parte dele -, as empresas começam a adaptar seus espaços para a realidade que, tudo indica, será híbrida. Isso inclui escalonamento das equipes, mesas coletivas, muito álcool em gel e novos hábitos e regras. Para sanar a dúvida entre entregar ou não o ponto físico, estratégias como diminuição da capacidade de pessoas, adaptação de estruturas e foco em espaços mais coletivos podem ajudar a  repensar os escritórios e reduzir gastos.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Robert Half, empresa global de consultoria de recursos humanos, desde o início da pandemia, 80% das posições trabalhadas pela marca eram 75% ou 100% remotas. Em 2019, apenas 5% tinham essa característica. Dentro desse estudo, 61% dos trabalhadores entrevistados se identificam como ‘homesteader‘, ou seja, que preferem o home office, 21% como ‘office dweller‘, aqueles que adoram o clima do escritório, e outros 15% como ‘coffee shop traveller‘, que são os que preferem trabalhar de outros lugares, como cafeterias, coworkings e ambientes diversos.

Nesse cenário, o diretor de serviços corporativos do Grupo Marista, Alexandre de Olim Cardoso, ressalta que o retorno ao trabalho presencial deve trazer algum atrativo ao colaborador. “Apesar das dificuldades do trabalho home office, quando voltarmos ao presencial, desafios como o deslocamento e tempo perdido no trajeto até o escritório serão pontos considerados pelo trabalhador. Por isso, o espaço físico deve ter algum diferencial que justifique a ida até lá, mesmo que somente em alguns dias da semana, já que a expectativa é de uma rotatividade de colaboradores e elaboração de escalas”, explica. 

Redução do espaço físico

Na FTD Educação, editora de livros didáticos do Grupo Marista com sede em São Paulo, a solução encontrada foi reduzir o espaço físico e transformar o novo ambiente em um local descontraído e repaginado. “Nós tínhamos dois prédios disponíveis para nossa equipe, um deles alugado, com oito andares, e outro próprio, com três andares. Nosso plano de ação foi devolver o prédio alugado, que nos custava caro, e concentrar nossos postos de trabalho no ambiente próprio, agora adaptado para receber os colaboradores de forma escalonada”, conta o coordenador de infraestrutura predial da FTD, Paulo Pereira Júnior. 

Com a mudança, os 575 funcionários, antes divididos em duas instalações, agora serão acomodados em somente um prédio, que antes da remodelação tinha capacidade para 150 pessoas e agora, após a reforma, poderá receber 280 trabalhadores. Uma otimização de 86% no ambiente. Com as adaptações, metade do quadro de colaboradores poderá trabalhar presencialmente, permitindo assim que o trabalho seja realizado no formato 50% home office e com escalas. 

Segundo Alexandre, a mudança foi prevista antes mesmo da chegada da pandemia. “Nós já tínhamos acendido um alerta de que não fazia sentido mantermos dois prédios considerando que o home office era uma realidade para 20% dos colaboradores antes mesmo da covid-19 e trazia muito mais facilidade para a rotina, ainda mais em São Paulo, onde sabemos que o deslocamento diário é desgastante e gera um estresse grande. Então, em agosto de 2019 iniciamos as pesquisas para fazer a mudança e, com a pandemia, o momento se tornou ideal para realizarmos as obras, já que os prédios ficaram vazios”, ressalta. 

No prédio próprio, a instituição investiu em estações de trabalho colaborativas, ou seja, que podem ser usadas por diferentes profissionais a cada dia, e na disponibilização de lockers para o armazenamento de artigos pessoais, deixando assim o espaço comum livre e facilitando a organização das mesas. Os aparelhos de telefone também somem e as linhas passam a estar acopladas aos notebooks individuais. Já os espaços de reuniões foram divididos em pequenos cômodos, voltados para os encontros on-line, conversas de feedback ou bate papo entre colegas, e salas estruturadas, específicas para reuniões de equipe, apresentações de projetos e outros eventos. 

Com as alterações, o modelo se tornou inspiração para outras sedes do Grupo Marista, que deve estudar a aplicação de mais mudanças. Isso seria possível por medidas que permitem o escalonamento das equipes. Um exemplo é o fato de que algumas funções exercidas no grupo já foram repensadas para o modelo 100% on-line, inclusive com a contratação de colaboradores de outros estados, sem a necessidade de estarem nas cidades da sede física. “Projetos como esse, que trazem inovação e otimização de estruturas, sempre fazem os olhos brilharem. Um escritório novo, repaginado e adaptado às novas necessidades da sociedade é o que toda empresa quer aplicar, e não foi diferente no Grupo, que agora estuda formas de levar esse projeto para outras frentes de missão”, explica Alexandre.

Saúde em primeiro lugar

Pensar no retorno ao trabalho presencial e em quais diferenciais o ambiente terá para os colaboradores é primordial, mas a saúde não pode ficar de lado. Ainda no enfrentamento da pandemia da covid-19, os cuidados com protocolos de higiene e novos hábitos também devem estar no planejamento do espaço físico. De acordo com Paulo, o sistema de ventilação é um dos principais pontos a ser levado em conta. “O ar condicionado convencional não é o ideal para ambientes com maior concentração de pessoas, e nem sempre a ventilação natural, com janelas e portas abertas, será suficiente. Por isso, nos novos projetos, a climatização já é pensada a partir da renovação constante do ar dentro do local a partir de tubulações específicas e novas tecnologias”, ressalta. 

Além disso, a proibição de consumo de alimentos na mesa, limpeza mais frequente dos espaços e disponibilização de álcool em gel também são pontos a serem adotados. “Novos hábitos precisam ser inseridos na rotina do escritório. O lanche passa a ter local determinado somente para isso, ficam de fora os bebedouros, todos os ambientes, mesas, cômodos e corredores contam com totens e dispensers de álcool, além de todos os espaços serem pensados para garantir o distanciamento entre as pessoas”, explica Paulo. Todo o protocolo de retorno foi validado pelas equipes médicas do Hospital Marcelino Champagnat, de Curitiba (PR).

Escritório também é lugar pra relaxar

E, para garantir os atrativos e diferenciais aos colaboradores, o escritório também se tornou lugar de jogar videogame, tirar um cochilo ou até malhar. “Mais do que nunca, estamos vendo as empresas aplicarem o conceito de ‘escritório do Google’ em suas sedes. Na FTD, o novo projeto contou com academia, oratório, sala de jogos, quiet room e sala de massagem”, ressalta Paulo. 

Apesar de prontas, as estruturas ainda não estão liberadas para uso dos colaboradores. “Estamos ansiosos para ver como será a reação dos colaboradores ao conhecer essa nova estrutura e também formato de trabalho, mas entendemos que o momento ainda não permite esse retorno. Apesar disso, estamos deixando tudo pronto e já adaptado ao próximo capítulo dessa história: a volta ao trabalho presencial de forma segura e reformulada”, finaliza o coordenador.

Share:

Latest posts

Créditos: Rutenio Júnior
Shopping promove tributo à banda RBD
Crédito: Envato
Por que empresas de sucesso apostam na diversidade?
mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Créditos: Rutenio Júnior
Shopping promove tributo à banda RBD
O Ventura Shopping realiza, nesta sexta-feira, 19 de julho, às 19h30, um tributo ao RBD como parte da...
Saiba mais >
Crédito: Envato
Por que empresas de sucesso apostam na diversidade?
Companhias que promovem a diversidade colhem benefícios como inovação, criatividade e um ambiente de...
Saiba mais >
mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios
Evento vai reunir profissionais do setor no dia 22 de julho, às 19h, na Fazenda Churrascada Ampliar...
Saiba mais >
Comum entre crianças e adolescentes, desalinhamento dental causa dificuldades na mastigação e fala, distúrbios no sono e pode ocasionar perda de dentes Créditos: Envato
Mais de 35% dos adolescentes brasileiros possuem condição de saúde bucal que pode afetar a qualidade de vida; saiba qual
Impactos, além da estética, incluem função mastigatória e saúde das articulações A má oclusão, conhecida...
Saiba mais >