Do acolhimento até a alta hospitalar, serviço social de hospitais SUS supera desafios e faz a diferença na vida de pacientes

Acolhimento de pacientes, escuta sensível de familiares e fortalecimento de vínculos. Atividades assim se repetem na rotina de assistentes sociais que estão presentes nos corredores, quartos e portas de entrada do Hospital Universitário Cajuru, em Curitiba (PR). Quem chega para receber algum tipo de atendimento, muitas vezes está inconsciente ou apresenta dificuldades de fala, e é nessa hora que os profissionais entram em ação. Em um momento de fragilidade e dor, o serviço social não mede esforços para buscar pela família e garantir os direitos de cada paciente. Para além da intermediação do contato, a missão diária é tornar o ambiente hospitalar mais humano e acelerar o processo de cura.

Os assistentes sociais assumem o papel de se colocar no lugar do outro, com o objetivo de entender suas necessidades e perspectivas. Nos bastidores do hospital com atendimento 100% via SUS, Kátia Schmeing e Caroline Ferreira Borges fazem parte de uma equipe de doze assistentes sociais que se dedicam diariamente a cumprir suas funções, certos de que poderão fazer a diferença e ser a acolhida indispensável em qualquer hora. Assim como outros colegas de profissão, elas escolheram a área movidas pelo sentimento de empatia, que transforma-se em empenho para levar à população os conhecimentos necessários para a garantia dos seus direitos. “Todos os dias, precisamos ponderar e compreender a realidade social de cada um, interferindo da melhor forma possível”, afirma Kátia, que lidera o serviço social do Hospital Universitário Cajuru.

Jornada incansável

O trabalho dos assistentes sociais começa no momento que o paciente chega ao hospital. A equipe discute e elabora um plano de ação, incluindo desde os pontos mais delicados da situação até a necessidade de encaminhamentos para serviços públicos. A assistente social Kátia Schmeing explica que, após a identificação do paciente, é feito contato com a família. “Caso a pessoa não esteja consciente, a equipe busca por documentos pessoais e inicia a busca por familiares com base nos dados cadastrados em sistemas integrados de saúde. Contudo, quando não há documentos de identificação e demora na melhora, o serviço social pede, por ofício, que o Instituto de Identificação, da Polícia Civil, faça a coleta das digitais e as coloque no sistema em busca de pessoas compatíveis. Caso isso ocorra, as informações são enviadas ao hospital”, detalha.

Fundamentais na garantia da atenção integral à saúde dos pacientes, os assistentes sociais trabalham em conjunto com uma equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos e outros profissionais da saúde. Um dos papéis importantes desempenhados pelo serviço social é auxiliar os pacientes e suas famílias a entenderem os procedimentos médicos e os cuidados após a alta hospitalar. “Durante a reunião entre a equipe médica e a família, há um momento em que precisamos falar sobre o quadro clínico do paciente e seu prognóstico. Ali, é comum a família questionar sobre os cuidados futuros e sentir-se insegura com relação à desospitalização. Essa é a hora em que a presença do serviço social faz toda diferença porque garante que o paciente tenha acesso a todo o suporte social disponível”, aponta o médico Ronnie Barreto Arrais Ykeda, coordenador dos cuidados paliativos do Hospital Universitário Cajuru.

Lidar com a morte de pacientes e acompanhar o momento que essa notícia é dada para seus familiares é uma das situações mais delicadas na rotina do serviço social hospitalar. Para isso, a assistente social Caroline Ferreira Borges conta que é preciso ter empatia e sensibilidade, além de estar preparado para oferecer o apoio necessário nesse momento difícil. É um trabalho realizado junto com a equipe médica, que muitas vezes precisa do suporte do assistente social para orientar familiares sobre procedimentos legais e funerários. “Esse trabalho integrado permite que as demandas de cada paciente sejam avaliadas de forma ampla e individualizada, garantindo um atendimento mais humanizado. A colaboração entre os profissionais é fundamental para agirmos corretamente com cada momento, desde um óbito até a alta hospitalar”, ressalta.

Movidos pela paixão

Para compreender cada indivíduo, os assistentes sociais utilizam seus instrumentos de batalha que incluem habilidade e técnica adquiridos ao longo de anos de estudos, aliados ao amor ao próximo. “Já coleciono histórias de pessoas que voltaram para o convívio familiar depois de mais de 20 anos, apenas porque demos o pontapé inicial e colocamos o paciente em contato com a família. Por isso, sou apaixonada pelo trabalho de procurar os familiares de cada um que está internado no hospital”, revela Caroline. O esforço dos assistentes sociais do Hospital Universitário Cajuru é apenas uma amostra do que esses profissionais fazem diariamente em instituições de todo o país. Eles firmam um compromisso em prol da sociedade, com um olhar voltado para o próximo e o intenso desejo de dar apoio aos pacientes e suas famílias, garantindo o acesso não apenas ao tratamento médico, mas também a serviços e recursos que possam ajudá-los em sua jornada de recuperação. “Tudo começa com a compreensão da realidade que os cercam, entendendo as diferenças entre os indivíduos e as camadas sociais. Além disso, precisamos deixar claro que eles podem confiar na instituição e que não estão sozinhos nesse momento difícil”, conclui Kátia.

Share:

Latest posts

mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios
Comum entre crianças e adolescentes, desalinhamento dental causa dificuldades na mastigação e fala, distúrbios no sono e pode ocasionar perda de dentes Créditos: Envato
Mais de 35% dos adolescentes brasileiros possuem condição de saúde bucal que pode afetar a qualidade de vida; saiba qual
Créditos Divulgação / Grupo Marista
Mulheres que apoiam mulheres: programas de mentoria ajudam profissionais a avançarem no mercado de trabalho

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios
Evento vai reunir profissionais do setor no dia 22 de julho, às 19h, na Fazenda Churrascada Ampliar...
Saiba mais >
Comum entre crianças e adolescentes, desalinhamento dental causa dificuldades na mastigação e fala, distúrbios no sono e pode ocasionar perda de dentes Créditos: Envato
Mais de 35% dos adolescentes brasileiros possuem condição de saúde bucal que pode afetar a qualidade de vida; saiba qual
Impactos, além da estética, incluem função mastigatória e saúde das articulações A má oclusão, conhecida...
Saiba mais >
Créditos Divulgação / Grupo Marista
Mulheres que apoiam mulheres: programas de mentoria ajudam profissionais a avançarem no mercado de trabalho
Autoconhecimento e direcionamento de carreira são apostas a partir do compartilhamento de vivênciasA...
Saiba mais >
man-hands-on-the-steering-wheel-2023-11-27-05-06-20-utc (1)
Mês de Férias: dicas para evitar erros na hora de alugar um carro
Especialista orienta sobre o que checar ao sair da locadora e traz dicas para economizar na escolha do...
Saiba mais >