Educadores garantem: errar faz parte do aprendizado

Estudo aponta que falhar 15% das vezes pode aumentar confiança e capacidade de aprendizado mais do que a prevenção de erros

[flgallery id=2678 /]

A visão perfeccionista do mundo nos fez acreditar que onde existe erro não existe acerto (e vice-versa). Ninguém gosta de ter seus erros ressaltados – muito pelo contrário, a sociedade é orientada a esconder as falhas e primar pelos acertos e pelas vitórias. Entre os desafios diários que líderes enfrentam à frente de uma equipe, organização ou país, talvez um dos mais difíceis seja aprender a lidar com os próprios erros. 

O pesquisador e professor de Harvard, Shawn Achor, desenvolveu um estudo sobre os efeitos dos erros no aprendizado e rendimento das pessoas. Os resultados indicaram que, quando erramos, temos a oportunidade de aprender com nossas falhas e, assim, podemos evitar erros futuros. “Quantos gênios e prêmios Nobel erraram antes de acertar? Precisamos aceitar, sem resistências, que cometer erros faz parte da natureza humana. Aprender a enxergá-los de maneira positiva é o primeiro passo para errar cada vez menos”, explica o diretor-geral do Colégio Positivo, Celso Hartmann.

Para ele, ao errar, deve-se focar no que se pode aprender a partir daquilo. “Assim, levantamos mais fortes e sábios, prontos para os demais desafios que a vida nos impõe”, justifica. Segundo ele, essa perspectiva nos ambientes familiar e escolar permite que as crianças saibam arriscar e não desistam diante da primeira dificuldade. E ainda mais: faz com que elas vejam o fracasso até mesmo como um motor para a determinação.

O educador explica que, quando erros se tornam oportunidades de aprendizado, as pessoas se arriscam mais, pensam em novos caminhos, trapaceiam menos e resolvem mistérios que antes não conseguiam. “Isso não nos dá a justificativa de falhar de propósito, deixando tarefas inacabadas ou fazendo as coisas sem a motivação e o empenho necessários. O ideal é nos dedicarmos 100% àquilo que estamos realizando, mas aceitarmos uma falha, caso ela apareça em nosso caminho”, afirma Hartmann.

Ou seja, segundo ele, é possível aprender muito mais com o erro do que com o acerto. “Quando erramos, ficamos alerta, tentamos descobrir onde foi que erramos e o que é necessário para acertar na próxima vez. O erro só é um problema quando não é percebido. Caso contrário, torna-se aprendizado”, conclui. Sem essa percepção, existem dois riscos: o de continuar repetindo os mesmos erros sem aproveitá-los para evoluir; ou o de parar de tentar por medo de errar.

E aí entra uma pergunta: qual a quantidade de erros normal para uma pessoa? Um estudo que acaba de ser divulgado pela Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, revela que o ponto ideal em que falhamos apenas o suficiente para nos manter motivados, mas sem nos deixar abater, é errar 15% das vezes. Ou, por outro lado, dar a resposta certa 85% das vezes –  por isso, a descoberta foi chamada de “Regra dos 85%”. 

“Se eu dou exemplos fáceis demais, você vai acertar 100% das vezes e não há nada para aprender. Se dou exemplos difíceis demais, estará correto 50% do tempo e ainda não vai estar aprendendo nada novo, enquanto que se eu der algo no meio-termo, você vai estar nesse ponto ideal em que extrai o máximo de informação de cada exemplo em particular”, disse o líder do estudo, Robert Wilson, professor de psicologia e ciência cognitiva. “Se você está assistindo aulas fáceis demais e acertando tudo o tempo todo, provavelmente não está extraindo delas o mesmo que alguém com dificuldades, mas dando um jeito de acompanhar”, afirmou. O estudo só investigou tarefas simples com respostas binárias: correto ou incorreto.

Como ajudar uma criança a transformar erros em aprendizados

  1. Não condene o erro: na ânsia de querer que a criança acerte, não condene seus erros – porque são eles que nos lembram, imediatamente, do quão humanos somos. Tenha bom humor para aceitar a existência inevitável do erro em nossas vidas. Caso contrário, a criança passará a ter medo de testar novas experiências, com medo de errar. Com isso, diminui tanto o número de erros quanto o de acertos e, pior, a possibilidade de aprender. Por isso, não trate os erros como problemas, mas os encare como parte do processo de acertar.
  2. Ensine-a a ser responsável: isso significa assumir a responsabilidade por seus atos. Mostre a ela que não precisa ter medo de errar e que admitir seus erros é o primeiro passo para o aprendizado. Essa orientação pode levar crianças e jovens de qualquer idade a não fugir de seus erros, mas sim tentar a sua correção, ainda que, para tanto, novos erros venham a ser cometidos.
  3. Dê a ela uma nova chance: faça-a pensar sobre seus erros. Peça que analise as falhas e encontre novas formas de solucioná-las. Isso pode ser feito com questões erradas na prova, por exemplo. Se ela não tentar solucionar as questões que não acertou, não vai aprender. Nos relacionamentos, muitas vezes corrigir o erro pode significar pedir desculpas às pessoas que foram prejudicadas. Talvez ela não consiga reverter a situação, entretanto, mostrará que se arrepende do que fez e que se importa com o outro envolvido.
  4. Coloque o erro como algo temporário, e não definitivo: um segredo é utilizar a expressão “ainda não” ao dar feedback à criança. O recado é que o erro significa apenas que o aprendizado ainda está em desenvolvimento. Isso vai ajudá-la a olhar o erro como um caminho para o aprendizado.
  5. Valorize o raciocínio: na hora de avaliar as falhas, inicie o discurso pelo que está correto. Se a questão perguntou “quem foi o primeiro homem a ir ao espaço?” e ela respondeu “Marcos Pontes”; em vez de dizer “você está errado”, que tal falar “Marcos Pontes foi o primeiro brasileiro a ir ao espaço, você está certa nisso. No entanto, ele não foi o primeiro do mundo. Vamos voltar na história”. Até questões tolas podem ser respondidas dessa forma.
  6. Converse sobre os erros do passado: fale sobre os seus próprios erros e como você faria se fosse hoje – e faça-a refletir sobre os erros que ela cometeu e o que aprendeu com eles. A exposição do erro deve ser estimulada para evitar que suas lições sejam perdidas.
  7. Exalte a persistência: o fundador da Apple, Steve Jobs, já disse que o fracasso é o melhor caminho – e, às vezes, o único – para a inovação. Walt Disney enfrentou sérias dificuldades – como a falência da primeira empresa – antes de construir a fábrica de sonhos que conhecemos hoje. Einstein levou 10 anos para seu grande feito como cientista. E teorias mostram que o processo de aprendizado leva exatamente esse tempo para uma pessoa atingir a maestria em alguma área. Michael Jordan, o maior jogador de basquete da história, disse: “errei mais de 9.000 cestas e perdi quase 300 jogos. Em 26 diferentes finais de partidas fui encarregado de jogar a bola que venceria o jogo… e falhei. Eu tenho uma história repleta de falhas e fracassos em minha vida. E é exatamente por isso que sou um sucesso”. Fale sobre casos inspiradores como esses com a criança. É uma atitude simples que vai ajudá-la a manter a motivação.
  8. Encare os erros como um cientista: Thomas Edison, após ter sido intimado pelo seu patrocinador a interromper suas experiências, disse: “por que desistir agora, se já sabemos muitos modos de como não fazer uma lâmpada? Estamos hoje mais próximos de saber como fazer uma lâmpada que antes!” Isto é, errar é a possibilidade de acertar na próxima tentativa. Quanto mais ideias colocar no papel, por exemplo, mais fácil será para encontrar uma realmente boa. Entretanto, para encontrar uma ideia boa em 100 é necessário que as outras 99 sejam ruins.
  9. Estimule a paciência: depois de falhar algumas vezes, melhoramos com a simples prática. Isso não significa que a criança deve se especializar em erros – e sim que ela vai aprender a lidar melhor com os problemas causados por eles. Além disso, depois de um tempo, ela também aprende o que pode ou não dar certo.
  10. Encontre padrões: quando a criança erra repetidas vezes, ou quando você detectar erros frequentes, isso pode lhe fazer perceber padrões. Um padrão costuma carregar uma mensagem importante, nem sempre ouvida: “olhe para mim, estamos precisando de uma certa atenção aqui! Talvez uma mudança importante seja necessária!” Uma leitura atenta dos padrões, que aparecem por meio de erros sucessivos, é crucial a fim de que sejam evitados problemas maiores no futuro.

Sobre o Colégio Positivo

O Colégio Positivo compreende cinco unidades na cidade de Curitiba, onde nasceu e desenvolveu o modelo de ensino levado a todo o país e ao exterior. O Colégio Positivo Júnior, o Colégio Positivo – Jardim Ambiental, o Colégio Positivo –  Ângelo Sampaio, o Colégio Positivo Hauer e o Colégio Positivo Internacional atendem alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, sempre combinando tecnologia aplicada à educação, material didático atualizado e professores qualificados, com o compromisso de formar cidadãos conscientes e solidários. Os alunos têm à sua disposição atividades complementares esportivas e culturais, incentivo ao empreendedorismo e aulas de Língua Inglesa diferenciadas, além de aprendizado internacional na unidade que leva essa proposta em seu nome. Em 2016, foi incorporado ao Positivo o Colégio Positivo Joinville (SC) e, em 2017, o Colégio Positivo – Santa Maria, em Londrina (PR). Em 2018, o Positivo ganhou duas unidades em Ponta Grossa (PR): Colégio Girassol e Positivo Master. Em 2019, somaram-se ao Grupo duas unidades do Colégio Semeador, em Foz do Iguaçu (PR), e duas unidades da escola Passo Certo, em Cascavel (PR). Em 2020, o Positivo inicia o ano letivo com mais duas unidades em Curitiba: Colégio Positivo – Água Verde e Colégio Positivo – Boa Vista.

Share:

Latest posts

mustang2 (1)
Ford Slaviero realiza evento em comemoração aos 60 anos do lendário Mustang
CIEE-por-GusBenke-50
De Libras à logística: cursos gratuitos são oportunidade de capacitação com certificado
3903C-20230302-0048 (1)
Vero Vittá: inspiração para viver com qualidade e exclusividade no alto da Gleba Palhano

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

mustang2 (1)
Ford Slaviero realiza evento em comemoração aos 60 anos do lendário Mustang
22.° edição do evento reúne fãs do modelo em Curitiba Realizado na concessionária Ford Slaviero, uma...
Saiba mais >
CIEE-por-GusBenke-50
De Libras à logística: cursos gratuitos são oportunidade de capacitação com certificado
CIEE/PR oferece 22 opções presenciais em Curitiba para pessoas a partir de 14 anos; formação em Libras...
Saiba mais >
3903C-20230302-0048 (1)
Vero Vittá: inspiração para viver com qualidade e exclusividade no alto da Gleba Palhano
Lançamento de alto padrão da A.Yoshii traz espaços de lazer diferenciados e localização privilegiada...
Saiba mais >
FOTO-HARROCK-JE-2 (1)
Hard Rock Cafe Curitiba anuncia novidades no cardápio de almoço
Lunch menu tem novos preços e opções para quem busca pratos executivos com um toque de Rock’n Roll Conhecido...
Saiba mais >