Falta de vacina acende alerta para cuidados com catapora

Em tempos de falta de vacina contra a catapora em algumas regiões do país, é importante que pais e responsáveis estejam atentos aos principais sintomas da doença e tomem os devidos cuidados para evitar a transmissão. A catapora é uma doença infecciosa causada pelo vírus Varicela-Zoster, que se manifesta com mais frequência em crianças, mas também pode afetar adultos. Altamente contagiosa, pode ser transmitida por contato direto com as lesões da pele, secreções respiratórias ou gotículas de saliva de pessoas infectadas.

O Ministério da Saúde explica que a Anvisa suspendeu o fornecimento da vacina da catapora em março de 2023 para avaliar a nova composição do imunizante. A decisão foi tomada em conjunto com a agência europeia de medicamentos. Após análise, a vacina foi liberada em julho do mesmo ano, mas a interrupção causou atrasos no abastecimento global, levando ao desabastecimento em alguns estados. O Ministério da Saúde recebeu 1 milhão de doses em dezembro de 2023 e planeja distribuir 554 mil doses até o final de janeiro.

Segundo Andrea Dambroski, médica do Departamento de Saúde Escolar dos colégios da rede Positivo, os sintomas da catapora aparecem após o contato com o vírus e começam com manchas vermelhas, evoluindo para vesículas, pústulas e crostas na pele. “Os pais devem ficar atentos aos principais sintomas, que incluem febre, mal-estar, dor de cabeça, perda de apetite e lesões na pele. As feridas são predominantes na face, couro cabeludo e tronco, evoluindo para outras partes do corpo”, alerta a pediatra.

Se a criança apresentar sintomas de catapora, é importante que fique em casa, isolada de outras pessoas, por pelo menos 7 a 10 dias, ou até que as lesões estejam bem secas. “Durante o período de isolamento, alguns cuidados são essenciais, como lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou álcool em gel, manter as unhas da criança curtas para evitar que ela coce as lesões e cause infecção secundária, evitar que o infectado compartilhe objetos pessoais, como toalhas, roupas e brinquedos, e cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar para evitar a transmissão do vírus para outras pessoas.”

Não existe um medicamento específico para tratar a catapora. O tratamento visa aliviar os sintomas, como febre, coceira e dor. Geralmente, a catapora tem uma evolução benigna, mas é importante estar atento a possíveis complicações, como otite (infecção de ouvido), infecção secundária das lesões de pele, pneumonia e encefalite. A médica faz um alerta: “caso a criança apresente algum sintoma grave, como febre alta persistente, falta de ar, convulsões, alterações neurológicas ou persistência dos sintomas após 10 dias, é importante buscar atendimento médico imediatamente.” 

A vacina contra a catapora é a melhor forma de prevenir a doença. É segura e eficaz, podendo ser aplicada em crianças a partir de 12 meses de idade. Em caso de falta de vacina na rede pública, ela também está disponível na rede privada. No Brasil, a vacina auxilia a conter a propagação da doença. “Ela não está erradicada, acredita-se que a vacinação possa diminuir consideravelmente os casos, porém uma pequena porcentagem dos indivíduos vacinados pode desenvolver a doença (geralmente de forma leve). Assim, não é possível prever se há chance da catapora ser erradicada”, finaliza.

Sobre o Colégio Positivo

O Colégio Positivo compreende sete unidades na cidade de Curitiba, onde nasceu e desenvolveu o modelo de ensino levado a todo o país e ao exterior. O Colégio Positivo – Júnior, o Colégio Positivo – Jardim Ambiental, o Colégio Positivo – Ângelo Sampaio, o Colégio Positivo – Hauer, o Positivo International School, o Colégio Positivo – Água Verde e o Colégio Positivo – Boa Vista atendem alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, sempre combinando tecnologia aplicada à educação e professores qualificados, com o compromisso de formar cidadãos conscientes e solidários. Em 2016, o grupo chegou em Santa Catarina – onde hoje fica o Colégio Positivo – Joinville e o Colégio Positivo – Joinville Jr. Em 2017, foi incorporado ao grupo o Colégio Positivo – Londrina. Em 2018, o Positivo chegou a Ponta Grossa (PR), onde hoje está o Colégio Positivo – Master. Em 2019, somaram-se ao Grupo duas unidades da escola Passo Certo, em Cascavel (PR), e o Colégio Semeador, em Foz do Iguaçu (PR). Em 2020, o Colégio Vila Olímpia, em Florianópolis (SC), passou a fazer parte do Grupo. Em 2021, a St. James’ International School, em Londrina (PR), integrou-se ao grupo. Em 2023, o Positivo chegou a capital de São Paulo, com a aquisição do Colégio Santo Ivo. No final do mesmo ano, três unidades da Escola e Colégio Jardim das Nações, em Taubaté e Tremembé (SP), se integraram à rede de colégios Positivo. Atualmente, são 20 unidades de ensino, em dez cidades, no Sul e Sudeste do Brasil, que atendem, juntas, a aproximadamente 16,5 mil alunos, desde a Educação Infantil ao Ensino Médio.

Share:

Latest posts

Créditos: Freepik
Universidade Positivo recebe feira de adoção de cães nesta quarta-feira (12)
Crédito: Marcos Vinícius
Às vésperas do Dia dos Namorados, shopping promove encontro para solteiros
Foto: divulgação
Caminhada melhora saúde, fortalece vínculos sociais e promove solidariedade

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Créditos: Freepik
Universidade Positivo recebe feira de adoção de cães nesta quarta-feira (12)
Evento tem animais do Complexo Penitenciário de Piraquara disponíveis para adoção A Universidade Positivo...
Saiba mais >
Crédito: Marcos Vinícius
Às vésperas do Dia dos Namorados, shopping promove encontro para solteiros
Com música, cardápio especial de bebidas e comidas, cinema e decoração romântica, a 9.ª edição da Sessão...
Saiba mais >
Foto: divulgação
Caminhada melhora saúde, fortalece vínculos sociais e promove solidariedade
Exercício é capaz de combater doenças, melhorar a saúde mental e até contribuir com a economia A caminhada...
Saiba mais >
mice
Revista MICE Curitiba chega à terceira edição
Publicação bilíngue destaca conquistas da cidade mais inteligente do mundo e o crescimento do turismo...
Saiba mais >