Felicidade corporativa: gestão de bem-estar vira foco de empresas

Atuar considerando a saúde e o bem-estar dos colaboradores dentro das organizações passa a ser condição necessária para garantir equipes mais equilibradas e, consequentemente, produtivas

Encontrar significado e propósito nas atividades desenvolvidas no dia a dia, em um ambiente saudável e positivo, com satisfação e reconhecimento. A descrição pode parecer um sonho distante, mas é uma forma humanizada de encarar as rotinas muitas vezes estressantes do mundo empresarial. Ao longo dos últimos anos, a chamada felicidade corporativa vem se tornando objetivo de muitas organizações que valorizam a saúde mental de seus colaboradores. 

Na Universidade de Harvard, uma das mais prestigiadas dos Estados Unidos, há muitos anos as aulas do professor israelense Tal Ben-Shahar se tornaram um fenômeno ao falar sobre um dos conceitos mais simples e, ao mesmo tempo, mais difíceis do mundo: a felicidade. Para o pesquisador, a felicidade é a combinação de bem-estar físico, emocional, intelectual, relacional e espiritual. Ela também é um bem que só pode ser conquistado por meio do exercício da auto responsabilidade, ou seja, cada um é responsável por buscar as condições necessárias para ser mais feliz. No entanto, as organizações podem contribuir com alguns aspectos que influenciam diretamente o bem-estar de seus colaboradores.

De acordo com Gustavo Arns, criador do Congresso Internacional de Felicidade e uma das referências mundiais sobre o assunto, é papel da empresa oferecer um ambiente psicologicamente seguro e condições adequadas de trabalho. “Algumas instituições internacionalmente muito relevantes, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas (ONU) falam sobre felicidade como um bem tangível. Diversos países também têm políticas públicas tratando do tema”, destaca. 

É possível medir a felicidade?

O especialista explica que, embora pareça abstrata, a felicidade pode, sim, ser medida, e que a ONU, por exemplo, faz isso no World Happiness Report. Na edição de 2023, Finlândia, Dinamarca e Islândia aparecem como os países mais felizes do mundo. O Brasil ocupa a 49ª posição. Muitas empresas também realizam essa medição por meio de metodologias distintas. Uma delas é a Felicidade Interna Bruta (FIB), que leva em conta cálculos de bem-estar, governança, meio ambiente, saúde, padrão de vida, vitalidade comunitária, relacionamentos, uso do tempo, educação e cultura.

Mas e a felicidade nas empresas? Segundo a professora da Business School da Universidade Positivo, Fernanda Albanaz, “o conceito de felicidade corporativa também está relacionado à busca do alinhamento do propósito dos colaboradores com os da empresa, promovendo assim um ambiente no qual os colaboradores se sentem satisfeitos, engajados e motivados em suas atividades profissionais”.

Não é à toa que uma das categorias do Prêmio Empresas que Melhor se Comunicam com Colaboradores (PEMCC) 2023 foi, justamente, a de “Felicidade Corporativa”. Disputada pela Gol Linhas Aéreas Inteligentes, empresa de aviação, Tecnobank, especializada em tecnologia para registro de contratos de financiamento de veículos, e Vale, tradicional empresa de mineração, a categoria foi vencida pela Tecnobank. Para a diretora de Gente & Gestão (RH) da empresa, Michaela Vicare, conquistar o troféu, depois de estar lado a lado com duas gigantes de suas áreas de atuação é o reconhecimento de um trabalho desenvolvido entendendo a importância das pessoas. “Começamos, há muitos anos, a buscar mais que apenas oferecer benefícios e a acompanhar de perto o quanto nossas equipes estavam satisfeitas com o trabalho que desempenhavam. Essa mudança na cultura organizacional permitiu uma melhoria significativa até mesmo no relacionamento entre as equipes”, detalha.

A importância de olhar para o ser humano

Não são poucas as empresas que relatam um aumento na produtividade e na satisfação dos clientes depois de implementar melhorias buscando a felicidade corporativa. No entanto, Arns lembra que esse deve ser um efeito colateral das políticas adotadas, e não o objetivo final. “O foco precisa estar no ser humano, em melhorar as condições de trabalho. Um livro lançado recentemente fala em ‘capital psicológico’ das empresas. É claro que, no longo prazo, isso contribui para o sucesso das organizações, mas o objetivo precisa ser o desenvolvimento de um ambiente capaz de gerar bem-estar e não adoecimento”, ressalta.

Michaela conta que, no caso da Tecnobank, o cuidado já está enraizado no cotidiano. “Temos um acompanhamento individualizado feito por profissionais junto a cada membro do time. As pessoas têm autonomia para sugerir mudanças e iniciativas em todas as áreas, inclusive relacionadas à forma como cada uma das funções é desempenhada”, relata. É assim que, há alguns anos, a empresa também está entre os vencedores do Great Place to Work (GPTW), premiação que reconhece os melhores lugares para se trabalhar no país.

Indicadores como a qualidade das interações humanas, a cultura e o clima organizacional também precisam ser levados em conta ao medir a felicidade dentro de uma corporação. “Quando a percepção dos colaboradores em relação à empresa é negativa, consequentemente haverá impacto na felicidade corporativa. Por isso, é importante que a empresa promova uma comunicação aberta e transparente, de modo que os funcionários possam contribuir para a construção de um ambiente positivo e saudável para todos”, finaliza Fernanda Albanaz.

Share:

Latest posts

Sicredi
Associados com cartões Sicredi têm acesso exclusivo à pré-venda da turnê PaGGodin, de Léo Santana
 Prati-Donaduzzi
Apoio e acolhimento: imigrantes e refugiados conquistam oportunidade de crescimento em empresas brasileiras
Estudo clínico realizado pela farmacêutica em parceria com a USP de Ribeirão Preto é o único em andamento no país Créditos: Prati-Donaduzzi
Canabidiol ganha mercado e chega a 4 anos de comercialização em farmácias, desde que foi lançado por farmacêutica que abriu setor no Brasil

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Sicredi
Associados com cartões Sicredi têm acesso exclusivo à pré-venda da turnê PaGGodin, de Léo Santana
Além da compra antecipada, usuários do cartão contam com desconto especial de 20% na aquisição dos ingressos...
Saiba mais >
 Prati-Donaduzzi
Apoio e acolhimento: imigrantes e refugiados conquistam oportunidade de crescimento em empresas brasileiras
Número de trabalhadores estrangeiros no país saltou de 62 mil para 181 mil em uma década; jovem do Senegal...
Saiba mais >
Estudo clínico realizado pela farmacêutica em parceria com a USP de Ribeirão Preto é o único em andamento no país Créditos: Prati-Donaduzzi
Canabidiol ganha mercado e chega a 4 anos de comercialização em farmácias, desde que foi lançado por farmacêutica que abriu setor no Brasil
Incorporação no SUS deve ampliar acesso do medicamento à população; Prati-Donaduzzi investe em pesquisas...
Saiba mais >
Créditos: divulgação
Inscrições para Cursinho Solidário vão até o dia 25
Projeto oferece aulas gratuitas para vestibulandos As inscrições para o semiextensivo do Cursinho Solidário,...
Saiba mais >