Hospital e empresas de tecnologia desenvolvem algoritmos que podem ajudar no diagnóstico e avaliação em tempo real de doença rara

Identificação tardia e subnotificação dificultam tratamento e comprometem qualidade de vida de pacientes; iniciativa é focada na amiloidose, doença que ataca coração, rins e sistema nervoso central

Pessoas acima dos 60 anos, com problemas cardíacos já tratados e que de um momento a outro passam a sentir cansaço, falta de ar e percebem edemas nos pés quando ficam tempo sentados. Os sintomas são comuns, mas podem ser um indicativo para casos de amiloidose, uma doença rara que ataca coração, rins e sistema nervoso central. 

A suspeita pode começar a partir da necessidade de colocação de novos stents no coração, por exemplo, para garantir o bom funcionamento do órgão. “É comum que muitos pacientes, mesmo após anos com estabilidade clínica, recebam  exames demonstrando novos problemas na válvula aórtica obstruida, a chamada estenose aórtica”, relata o cardiologista chefe do serviço de Cardiologia do Hospital São Lucas, em Porto Alegre (RS), Paulo Caramori. “Neste momento, realizamos a troca da válvula obstruída, com um procedimento conhecido como TAVI com ótima resposta inicial. Entretanto, em casos mais raros, podem surgir sintomas como fadiga excessiva e após exames específicos confirma-se o diagnóstico de amiloidose, uma doença pouco comum, provocada por erro na formação de proteínas, que deixam de ser metabolizadas pelo organismo e se acumulam de forma permanente no órgão. Mas isso nem sempre acontece, porque a amiloidose é uma doença rara e muitas vezes o seu diagnóstico não é cogitado”, explica o médico.

O especialista coordena um projeto de inovação na instituição junto com as empresas de tecnologia 2iM e Sisqualis, para desenvolver algoritmos que buscam eventos e resultados clínicos na base de dados do hospital e, a partir dos resultados, alertam os médicos sobre hipótese de diagnóstico da amiloidose. Se confirmada, a doença passa a ser avaliada e monitorada em tempo real por um Sistema de Avaliação de Linhas de Cuidado, permitindo que toda a jornada assistencial seja feita de maneira mais rápida e assertiva.

O ponto central do projeto é alertar sobre casos em que a pessoa tem a doença, mas ela não é considerada por ser uma condição rara, o que leva a um atraso no diagnóstico. Outro ponto importante é mostrar que muitas vezes a amiloidose é decorrente de outras doenças, como doenças hematológicas ou inflamações crônicas, como a tuberculose de longa duração.

Amiloidose

Causada por fatores genéticos, a amiloidose está também associada a doenças crônicas e o diagnóstico costuma ser realizado em pessoas com mais de 60 anos. Encontrada principalmente no coração, rins e sistema nervoso, a proteína que se deposita no órgão é muito difícil de ser removida, por isso o tempo para confirmação da doença é tão importante, já que a demora agrava a doença. Com o avanço da medicina, a amiloidose tem sido mais frequentemente diagnosticada. Estima-se que até 13% dos pacientes com estenose aórtica severa submetidos a TAVI, possuem simultaneamente amiloidose. 

O diretor de Crescimento da 2iM, Fábio Rocha, e o diretor de operações da Sisqualis, Guilherme Barros, contam que os algoritmos que estão sendo criados irão ajudar na detecção precoce da amiloidose e no gerenciamento e avaliação de tratamento e também evitar subnotificações que ainda existem por ser uma doença rara. “A segunda inovação será conectarmos o algoritmo ao modelo de avaliação das linhas de cuidado que irá permitir o gerenciamento da jornada do paciente no Hospital São Lucas, desde sua entrada até o desfecho final. A intenção é avaliar seus resultados por meio de um conjunto de métricas fundamentadas em conceitos de Valor em Saúde e possibilitando que a instituição acompanhe os profissionais individualmente”, explica Fábio.

O projeto conta com parceria da Pfizer que financia o desenvolvimento dos algoritmos e oferece apoio científico ao projeto para desenvolver novos medicamentos e alternativas de tratamento. 

Sobre a 2iM

A 2iM iniciou suas operações como uma startup em 2011 a partir de um spin-off de uma grande empresa de saúde e hoje, doze anos depois, é uma scale-up, com presença consolidada no mercado de saúde brasileiro. Atualmente a empresa possui um portfólio completo de soluções para avaliação do corpo clínico, prestadores e de linhas de cuidado que permitem avaliar o valor entregue, implementar novos modelos de remuneração e acordos baseados em valor. A empresa tem projetos aplicados com associações médicas, farmacêuticas, hospitais, operadoras de planos de saúde e SUS. Saiba mais em 2im.com.br

Share:

Latest posts

_- 65 - 2-
Arte da sustentabilidade: exposição gratuita apresenta itens decorativos inovadores feitos com resíduos da construção civil
diadecampo-2024 (1)
Ford Slaviero participa da 19.ª edição do Dia de Campo 2024 da Cooperativa Bom Jesus
Programa de estágio do Grupo Marista contempla áreas como medicina, enfermagem, farmácia, administração, gestão de pessoas, marketing, entre outras Créditos: Divulgação
Estágio dentro de hospitais-escola transforma olhar de estudantes de várias áreas

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

_- 65 - 2-
Arte da sustentabilidade: exposição gratuita apresenta itens decorativos inovadores feitos com resíduos da construção civil
Até 1.º de março, Instituto A.Yoshii destaca mais de 40 obras únicas criados nos projetos Obra&Arte...
Saiba mais >
diadecampo-2024 (1)
Ford Slaviero participa da 19.ª edição do Dia de Campo 2024 da Cooperativa Bom Jesus
Realizado na Lapa (PR), evento destaca inovações em tecnologia para produção agrícola e pecuária Marcada...
Saiba mais >
Programa de estágio do Grupo Marista contempla áreas como medicina, enfermagem, farmácia, administração, gestão de pessoas, marketing, entre outras Créditos: Divulgação
Estágio dentro de hospitais-escola transforma olhar de estudantes de várias áreas
Experiência aproxima academia e assistência, unindo formação, atendimento à população e pesquisa Com...
Saiba mais >
Inscrições abertas para programa de estágio em hospitais
Até o dia 8 de março, os hospitais São Marcelino Champagnat e Universitário Cajuru estão com inscrições...
Saiba mais >