Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois. Com a formação de futuros médicos em meio à pandemia, não é diferente. Não somente no Brasil, mas nos quatro cantos do mundo, a medicina e os hospitais tiveram que se desdobrar e se adaptar de inúmeras formas. Embora a pandemia tenha trazido inúmeras tristezas, no quesito residência médica e ensino, é possível ressaltar peculiaridades do momento e enxergar o “copo meio cheio”.

Voltando à história, a última crise sanitária que se assemelha à qual vivemos hoje foi a da gripe espanhola, mais de 100 anos atrás. Mesmo com a alta demanda e a sobrecarga no sistema de saúde, a covid-19 trouxe a oportunidade de os alunos de medicina aprenderem, fora das salas de aulas, a lidar com uma emergência sanitária de grandes proporções e com situações de estresse. Foi possível realizar treinamento de calamidade e aprofundar o entendimento, na prática, de protocolos de catástrofes epidemiológicas.

O ganho foi ainda mais especial para a formação de médicos residentes, que participaram e seguem participando de atividades práticas dentro de nossos hospitais. A pandemia também acelerou o processo de transformação digital do ensino, com aulas à distância, acontecendo em qualquer lugar, chegando mais longe e com trocas antes impensáveis. Além disso, nos hospitais, aliada à tecnologia, surgiram novas oportunidades de exercer a assistência com o teleatendimento e a telemedicina.

Outro fator positivo a ser destacado é a valorização da área de saúde. Dados como os trazidos pelo estudo “Demografia Médica no Brasil 2020” reforçam esse pensamento: o país tem hoje mais do que o dobro de médicos que tinha no início do século. Em 2000, eram 230.110 médicos. Em 2020, 502.475 profissionais. Nesse período, a relação de médico por mil habitantes também cresceu de forma significativa, passando de 1,41 para 2,4.

Cresceu também o interesse por cursos de graduação na área da saúde, como Medicina, Enfermagem, Biomedicina, Farmácia e Nutrição. Segundo uma pesquisa global feita pela Pearson, dos 2 mil pais de adolescentes e jovens ouvidos, 64% disseram ter percebido maior preferência dos filhos por assuntos relacionados à ciência depois do surgimento da pandemia. Mas é claro que, observando o cenário como um todo, também identificamos pontos negativos e dificuldades enfrentadas na formação dos futuros médicos.

A verdade é que todos os hospitais estão sobrecarregados e com o atendimento focado nos casos de covid-19. Os hospitais universitários, que são as unidades voltadas para a aprendizagem, também enfrentam complicações. Ou seja, os residentes, quando se preparam para “colocar a mão na massa”, se deparam com pouca variedade de doenças para o aprendizado, o que proporciona uma formação “menos variada”.

E isso ocorre mesmo nos hospitais que não atendem casos de covid-19, pois o tratamento de doenças comuns na pandemia ficou prejudicado. Mesmo os que se tornaram referência em traumas ou outras urgências e emergências se viram sobrecarregados, precisaram suspender cirurgias, acompanhamentos e pesquisas nas mais variadas áreas. As mudanças no atendimento eletivo forçadas pela covid-19, criaram um problema enorme ao agravar filas de espera por atendimento no sistema de saúde, seja ele público ou particular. Nesse momento, já enfrentamos uma demanda reprimida criada pela pandemia e bastante particular: por falta de intervenção precoce ou até mesmo de prevenção eficiente, o paciente acaba acessando o hospital pela porta do pronto-socorro por algo que poderia ter sido resolvido no ambulatório.

Além disso, a necessidade de isolamento e de novos protocolos de atendimento, distanciaram residentes de pacientes – e esse é um ponto de alerta. É preciso investir em formatos diferentes que possibilitem o desenvolvimento de habilidades como o cuidado humanizado e a relação empática entre quem cuida e quem é cuidado, fundamentais a esses profissionais.

De maneira geral, é possível, sim, conseguir visualizar o famoso “copo meio cheio”. Por mais que tenhamos oportunidades de reconhecermos lições a serem tiradas do momento em que estamos vivendo, a verdade é que os “filhos” da pandemia se tornarão médicos diferenciados. Como já dizia Hipócrates, “a cura está ligada ao tempo e às vezes também às circunstâncias”, ou seja, tenhamos paciência e sabedoria no futuro para lidar com os resquícios da pandemia. Ao lado do tempo, com as duas faces da mesma moeda, teremos que trabalhar para buscar o equilíbrio entre ganhos e perdas – o que não é impossível.

*Juliano Gasparetto, médico intensivista e diretor-geral do Hospital Universitário Cajuru.

Share:

Latest posts

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Palladium Curitiba promove diversas atrações musicais ao longo do dia Para comemorar o Dia Mundial...
Saiba mais >
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Projeto reúne coordenadores para melhorar a qualidade educacional No litoral paranaense, a Educação...
Saiba mais >
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde
Conjunto de talheres faz parte da campanha colecionável O Palladium Curitiba celebra a chegada do inverno...
Saiba mais >
4031C-20240608-0228-2 - 1-
Zona leste de Londrina ganha novo empreendimento residencial
Sunny Downtown, da Construtora Yticon, conta com duas torres e fica ao lado do Boulevard Shopping A...
Saiba mais >