Preocupação com meio ambiente reduz durante pandemia

Educadora dá dicas de como estimular crianças e jovens a pensarem na natureza, mesmo dentro de casa

O noticiário sobre meio ambiente reduziu de forma significativa durante a pandemia para dar espaço a informações sobre aumento dos casos de contaminação, número de mortes, vacinação e outras questões ligadas à pandemia. Somado ao isolamento social, quando o contato com a natureza foi substituído por meses inteiros dentro de casa, é normal que a preocupação com o planeta tenha ficado esquecida em tempos de reclusão. É o que mostra uma pesquisa do Instituto Ipsos, realizada com 16 mil entrevistados de 16 países, em 2020. Segundo o estudo, embora 85% defendam que o governo deve priorizar a preservação do meio ambiente na retomada pós-pandemia, 41% dos ouvidos no Brasil admitem que o tema da proteção ambiental não está na sua própria lista de prioridades.

A educação exerce papel fundamental sobre a formação de um cidadão consciente e esse trabalho não pode parar, mesmo em tempo de pandemia. Seja na escola ou em casa, crianças e adolescentes podem aprender conceitos sustentáveis e colocar em prática atitudes ecologicamente corretas. Os pais podem ajudar os filhos a enxergar o que deve ser feito. Lixo doméstico, consumo consciente e energia elétrica são temas possíveis de serem abordados pelos pais durante uma conversa. 

De acordo com Samantha Suyanni dos Santos Fechio, assessora de Conhecimento de Ciências e Biologia do Sistema Positivo de Ensino, a vida moderna trouxe inúmeras comodidades para os setores industrial e comercial, assim como para os ambientes domésticos. “O problema é que todo esse conforto gera uma produção cada vez maior de lixo, que na sua grande maioria acaba em lixões ou aterros, isso quando não é descartado de forma incorreta e acaba chegando nos rios e mares. Para mudar essa situação, nós podemos começar a modificar nossos hábitos de consumo. Reduzir, reusar, reciclar são termos que devem sair do campo do discurso para a prática”, alerta a educadora.

Aqui estão algumas dicas que podem começar a ser adotadas no dia a dia das famílias e que pais podem passar para os filhos: 

  • utilização de sacolas retornáveis para as compras do mercado; 
  • redução do consumo de papel – imprimindo apenas aquilo que for indispensável – e também de plástico; 
  • dar preferência a produtos e empresas que façam uma gestão adequada de resíduos; 
  • fazer a separação correta para que a maior quantidade possível de lixo produzido possa, de fato, ser reciclado. 

Tudo isso vai ao encontro de um conceito que, em outros países, já está amplamente incorporado à sociedade: a economia circular. Em uma economia circular, a atividade econômica constrói e reconstrói a saúde geral do sistema por meio de estratégias de redução, reutilização, recuperação e reciclagem do que é produzido e da energia gerada. Trata-se de um trabalho efetivo em todas as escalas, nos grandes e pequenos negócios, atividades globais ou locais. Para Samantha, a ideia parece distante, mas os pais, em casa, podem mostrar para seus filhos como se comportar a fim de colocar em prática esse conceito. “Com relação à economia circular, alguns gestos e ensinamentos podem ser incorporados ao hábito e ao cotidiano de pais e filhos.” São eles:

  • criar composteiras nos jardins públicos para os moradores destinarem o lixo orgânico; 
  • dizer não aos canudos de plástico; 
  • optar por comprar produtos a granel nos mercados, evitando assim que embalagens desnecessárias gerem ainda mais lixo; 
  • preferir o transporte por meio de bicicletas e patinetes – não poluentes; 
  • modificar a forma de consumo, dando preferência a produtos usados e artesanais; 
  • preferir marcas que aproveitam as sobras de tecido e não incineram; 
  • destinar corretamente o lixo eletrônico às empresas que providenciam o reaproveitamento adequado.

O uso da energia elétrica é outro tema bastante importante para ser tratado com crianças e jovens, já que o consumo consciente pode diminuir os impactos sofridos pela natureza devido à geração de energia. Segundo a educadora, os impactos ambientais para a geração de energia elétrica seriam bem menores se cada cidadão passasse a economizar, em média, 15% de toda energia consumida em sua residência. “Muitas vezes, o assunto é motivo de conflito em família porque crianças e jovens não se dão conta da importância, por exemplo, de apagar sempre a luz quando deixa um ambiente ou desligar a TV quando não está assistindo. Pode-se começar orientando os filhos a evitar abrir a porta da geladeira com frequência e sem necessidade, porque a porta aberta faz o ar interno aumentar a temperatura, de forma que a geladeira precisa refrigerá-lo novamente, usando assim mais energia”, ressalta. 

O ar-condicionado e o aquecedor são outros aparelhos que merecem atenção: eles consomem muita energia e seu uso deve ser moderado. A recomendação é que os filhos aprendam a programar os equipamentos para que desliguem automaticamente durante a madrugada. O tempo dos banhos é outra dica valiosa. O chuveiro elétrico é um dos aparelhos que mais aumenta a conta de energia. Deve-se orientar desde cedo crianças e jovens para que não se estendam no chuveiro mais que o tempo necessário, mostrando que dessa forma economizam energia elétrica e água.

Samantha acrescenta ainda que práticas que envolvem aspectos da educação ambiental são importantes porque, além de estimular o conhecimento e as boas atitudes, mobilizam o desenvolvimento de competências e habilidades, que é o foco da Base Nacional Comum Curricular. “Ao promover reflexões a respeito do meio ambiente, além do pensamento científico, crítico e criativo, a competência da responsabilidade e cidadania amplia a consciência ambiental dos estudantes de maneira que se sintam estimulados a mudar as suas atitudes a fim de amenizar ou até mesmo reduzir os impactos provocados pela ação antrópica”, destaca. 

Trabalhar essas formas de pensar junto a crianças e jovens é garantir o futuro do planeta. E, enquanto a pandemia não termina, os pais podem ser – em casa – os agentes dessa transformação.

Sobre o Sistema Positivo de Ensino

É o maior sistema voltado ao ensino particular no Brasil. Com um projeto sempre atual e inovador, ele oferece às escolas particulares diversos recursos que abrangem alunos, professores, gestores e também a família do aluno com conteúdo diferenciado. Para os estudantes, são ofertadas atividades integradas entre o livro didático e plataformas educacionais que o auxiliam na aprendizagem. Os professores recebem propostas de trabalho pedagógico focadas em diversos componentes, enquanto os gestores recebem recursos de apoio para a administração escolar, incluindo cursos e ferramentas que abordam temas voltados às áreas de pedagogia, marketing, finanças e questões jurídicas. A família participa do processo de aprendizagem do aluno recebendo conteúdo específico, que contempla revistas e webconferências voltados à educação.

Share:

Latest posts

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Palladium Curitiba promove diversas atrações musicais ao longo do dia Para comemorar o Dia Mundial...
Saiba mais >
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Projeto reúne coordenadores para melhorar a qualidade educacional No litoral paranaense, a Educação...
Saiba mais >
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde
Conjunto de talheres faz parte da campanha colecionável O Palladium Curitiba celebra a chegada do inverno...
Saiba mais >
4031C-20240608-0228-2 - 1-
Zona leste de Londrina ganha novo empreendimento residencial
Sunny Downtown, da Construtora Yticon, conta com duas torres e fica ao lado do Boulevard Shopping A...
Saiba mais >