Crédito: André Lara/Central Press

Público neurodivergente também é parte do ESG nas empresas

Como incluir pessoas neuroatípicas no ambiente de trabalho? Essa é a dúvida de muitas empresas que começam a trabalhar a vertente social do ESG

O que a neurodivergência tem a ver com ESG? Tudo, já que um dos pilares do ESG é o social e tem levado as empresas a adotar a diversidade dentro das organizações. Isso  inclui os neurodivergentes, que são, por exemplo, pessoas autistas, com TDAH, dislexia ou outras comorbidades e transtornos. Mas como é possível inseri-los no ambiente de trabalho? Esse foi o principal tópico da palestra “Neurodiversidade nas empresas: a inserção dos autistas e diversidade no mercado de trabalho”, de Rodrigo Assunção Rosa, no primeiro dia do Viasoft Connect (21 de junho), maior evento de inovação em gestão empresarial no Brasil.

Rosa é doutor em Administração de Empresas, professor e pesquisador da Universidade Positivo (UP). Segundo ele, a neurodiversidade no contexto do ESG é algo muito novo e é natural que as empresas tenham dúvidas sobre como fazê-la de forma eficiente e transparente. “Basicamente, é preciso entender as variações da cognição humana e ir além da diversidade que já existe nas corporações, como de gênero, raça ou idade. E buscar soluções para além das limitações que a sociedade impõe aos neurodivergentes, neurodiversos ou neuroatípicos, como também são chamados”, explicou.

Ele deu alguns exemplos, focados nas pessoas autistas, uma das neurodivergências mais sensíveis no ambiente corporativo. “Durante uma entrevista de emprego com um autista, que pode ter limitações de relacionamento social, é possível entrevistá-lo em um local tranquilo, silencioso e sem movimentação de pessoas”, sugeriu.

Já dentro das empresas, quando a pessoa está empregada, pode haver alguém de suporte ao neurodivergente, para orientá-lo sobre como agir em determinada ocasião. “Se o autista possui hipersensibilidade ao barulho, podem ser fornecidos protetores auriculares. Ou pode-se permitir que ele escute música enquanto trabalha ou fique num local mais isolado, por não gostar de interações humanas. Pode-se também criar uma sala especial de acomodação para quando o autista tem uma crise, para que ele possa se acalmar”, explicou o especialista.

No caso de uma pessoa com TDAH, por exemplo, algumas empresas oferecem salas de descompressão para os momentos de agitação ou perda de foco. Outras empresas que investem mais em neurodiversidade possuem até psicólogos dedicados a orientar os neuroatípicos. “São adaptações no ambiente de trabalho e em todo o processo que vão incluindo os neurodivergentes. É um movimento que está apenas começando, as empresas querem saber o que fazer e como fazer. Ainda temos muito chão pela frente”, analisou o professor.

O Viasoft Connect acontece até 23 de junho. São mais de 180 palestrantes com seis sessões plenárias acontecendo simultaneamente, além de um espaço de exposições com 7 mil m² no Viasoft Experience – centro de convenções dentro da Universidade Positivo, em Curitiba. Mais informações no site viasoftconnect.com.br/.

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em Ensino Superior entre as IES do Estado do Paraná e é uma marca de reconhecimento nacional. Com salas de aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta e mais de 400 mil metros quadrados de área verde no campus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A Instituição conta com três unidades em Curitiba (PR) e uma em Londrina (PR), e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de graduação, centenas de programas de especialização e MBA, cinco programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam cerca de 3.500 metros quadrados. Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em up.edu.br/

Share:

Latest posts

Foto: divulgação
Pesquisa revela impacto das redes sociais no desempenho escolar e no sono dos estudantes
Paulistão Feminino ganha em 2024 o sobrenome e apoio do Sicredi, mais longevo patrocinador da Federação Paulista de Futebol Créditos: Divulgação
Feito histórico: Paulistão Feminino ganha naming rights do Sicredi e tem premiação recorde em 2024
Sicredi
Sicredi dobra o valor arrecadado em movimento nacional para o Rio Grande do Sul e inicia nova mobilização

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Foto: divulgação
Pesquisa revela impacto das redes sociais no desempenho escolar e no sono dos estudantes
Estudo elaborado por aluno do Ensino Médio e UFPR ouviu cerca de mil alunos Uma pesquisa iniciada como...
Saiba mais >
Paulistão Feminino ganha em 2024 o sobrenome e apoio do Sicredi, mais longevo patrocinador da Federação Paulista de Futebol Créditos: Divulgação
Feito histórico: Paulistão Feminino ganha naming rights do Sicredi e tem premiação recorde em 2024
Com patrocínio da instituição financeira cooperativa, campeonato inicia em 21 de maio com onze clubes...
Saiba mais >
Sicredi
Sicredi dobra o valor arrecadado em movimento nacional para o Rio Grande do Sul e inicia nova mobilização
Instituição financeira cooperativa também atua na linha de frente de centros de distribuição de donativos,...
Saiba mais >
Thiago Cassi Bobato é coordenador médico do Pronto Socorro e do Hospital Universitário Cajuru Créditos: Divulgação
Acidentes de trânsito, um problema de saúde pública
Thiago Cassi Bobato* A cada dia que passa, as manchetes dos jornais nos confrontam com uma realidade...
Saiba mais >