Voluntariado de hospital SUS de Curitiba completa 15 anos com histórias de resistência e esperança

“Ser voluntário é doar sem olhar a quem.” A frase de Nilza Brenny revela bem o sentimento de pessoas que decidem dedicar um pouco do seu tempo para transformar a vida dos outros. E essa é a essência do trabalho voluntário que ela começou há 15 anos no Hospital Universitário Cajuru (HUC), de atendimento 100% SUS, em Curitiba (PR). “A cada dia que passa, tenho mais certeza da importância de ter essas pessoas dentro de um hospital. Elas fazem a diferença com uma simples história, uma música ou um ombro amigo. A presença delas revigora, desperta o riso e traz esperança diante de momentos difíceis”, declara a coordenadora da pastoral e do voluntariado dos hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat.

No Brasil, pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, mostra que o trabalho voluntário foi realizado por 6,9 milhões de pessoas. Isso significa que apenas 4,3% da população brasileira pratica alguma atividade voluntária. Com a pandemia de covid-19, a solidariedade ganhou força e se reinventou. Segundo dados da empresa de serviços financeiros Nubank, em 2020 houve um aumento de 295% no número de doações. Especialistas em ação social apontam essa mobilização como um legado da pandemia que deve se expandir nos próximos anos.

Histórias que curam

Há mais de 14 anos, o aposentado Pedro Paulo da Silva, de 65 anos, está presente nos corredores do Hospital Universitário Cajuru. Foi o voluntariado que o fez despertar para o talento de contar histórias que encantam e tocam a alma de quem escuta. “Ser um agente de mudança na vida de alguém, com um sorriso ou um abraço, é o que me estimula a continuar essa transformação que as histórias provocam. Quando chego, encontro pacientes tristes e desanimados. Quando saio, eles estão animados e alegres, como num passe de mágica”, relata o voluntário.

“Nós nos tornamos voluntários quando conseguimos olhar e entender a necessidade do outro”. É o que acredita a aposentada Kelly Katherine Lui Bettio, de 62 anos, que também soma 14 anos de muitas experiências no voluntariado do HUC. A vontade de ajudar nasceu quando viveu de perto a rotina de um hospital, ao cuidar do marido que enfrentou um câncer, e, foi ali, que entendeu a importância do contato humanizado com pacientes e familiares. “Vai além de um simples ato de ajudar. É uma troca de amor, solidariedade, compaixão e carinho. Sinto um prazer inexplicável, porque fazer o bem faz bem”, conta Kelly.

Pedro e Kelly chegaram ao Hospital Universitário Cajuru por meio do mesmo pedido: “Precisamos de anjos da guarda”. O comunicado os sensibilizou para aceitarem o desafio de levar esperança para pacientes que se recuperam de um acidente ou fazem tratamentos. “Saber que é um hospital SUS e com uma grande demanda, foi o que me motivou ainda mais a aceitar o convite”, lembra a voluntária. “Nesses anos, aprendi que somos todos anjos, mas com uma asa só. Para conseguirmos voar, precisamos estar unidos em um único abraço”, explica Pedro.

Abraço à prova de distância. A pandemia de covid-19 empurrou os profissionais da alegria para outros rumos. Foi preciso se reinventar e se adaptar às visitas para que, mesmo distantes, eles continuassem o mais próximo possível de quem precisa. São 309 voluntários que atuam no hospital e fazem parte de grupos diversos. São palhaços, músicos e até mesmo cachorros. Desde o início da pandemia, alguns conseguem se manter presentes por meio da tecnologia, com o auxílio de um robô.

15 anos de humanização 

Dar conforto aos pacientes, com carinho, atenção e palavras de apoio. Esse é o objetivo do voluntariado do Hospital Universitário Cajuru, que completa 15 anos em dezembro. Um mês mágico, em que as comemorações de Natal fazem a solidariedade tomar conta do coração das pessoas. Também, é quando se comemora o Dia Internacional do Voluntariado (05/12). “Final de ano é um período em que se intensifica o desejo de contribuir com o bem-estar do outro. A generosidade acaba sendo multiplicada”, relata Nilza Brenny.

O voluntariado só existe quando há pessoas que se doam todos os dias na realização de atos, algumas vezes simples, mas muito valiosos para pacientes. Mostram que não apenas a ciência e a medicina, mas o amor também podem salvar vidas. Para o médico e diretor-geral do Hospital Universitário Cajuru, as ações voluntárias ajudam a dar suporte emocional e, algumas vezes, até material à infraestrutura. “As parcerias com a sociedade civil e com as ONGs que buscam o bem do paciente são sempre bem-vindas e nos ajudam de várias maneiras”, afirma Juliano Gasparetto. “O hospital é uma instituição feita por pessoas e para pessoas que amam atender ao próximo. É uma troca positiva de energia”.

“Precisamos de anjos”

O retorno das atividades do voluntariado do HUC ainda não tem data marcada, mas já é muito esperado pelos profissionais, pacientes e voluntários. A previsão é que a partir de fevereiro, de acordo com a situação da pandemia, o grupo volte a fazer parte do dia a dia do hospital. Para quem deseja doar parte do seu tempo e se tornar um voluntário, basta agendar uma entrevista por meio do telefone (41) 3271-2990 para que a equipe possa avaliar o candidato e ver qual atividade se encaixa com o perfil e disponibilidade de horários. Os voluntários também participam do projeto “Acolha Novos Voluntários” que ajuda os candidatos a conhecerem as missões e valores do hospital.

Voluntariado é empatia posta em prática e solidariedade em sua forma mais essencial. A chance de aprender com a história do outro tem motivado muitos a decidirem fazer trabalho voluntário. De acordo com o Relatório Mundial da Felicidade de 2019, pesquisas indicam haver forte conexão entre voluntariado e maior satisfação existencial, emoções positivas e redução da depressão. Mais uma prova de que o impacto da própria bondade resulta em níveis mais altos de bem-estar e felicidade.

Já quem não tem disponibilidade e mesmo assim quer contribuir, existem diversas formas de colaborar com o Hospital Universitário Cajuru: boleto bancário, depósito em conta corrente ou por meio da conta de energia elétrica (Copel). Empresas também podem fazer suas doações e deduzi-las até o limite de 2% do seu Lucro Operacional Bruto.  Confira mais informações no site http://www.hospitalcajuru.org.br/doacao/ ou pelo telefone (41) 4042-8374.

Share:

Latest posts

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Palladium Curitiba promove diversas atrações musicais ao longo do dia Para comemorar o Dia Mundial...
Saiba mais >
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Projeto reúne coordenadores para melhorar a qualidade educacional No litoral paranaense, a Educação...
Saiba mais >
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde
Conjunto de talheres faz parte da campanha colecionável O Palladium Curitiba celebra a chegada do inverno...
Saiba mais >
4031C-20240608-0228-2 - 1-
Zona leste de Londrina ganha novo empreendimento residencial
Sunny Downtown, da Construtora Yticon, conta com duas torres e fica ao lado do Boulevard Shopping A...
Saiba mais >