Apenas metade dos brasileiros usam cinto de segurança no banco de trás do carro

O acidente com o ex-BBB Rodrigo Mussi fez voltar ao debate o uso do cinto de segurança. Rodrigo estava no banco traseiro de um carro de aplicativo quando o motorista bateu na traseira de um caminhão. O condutor, que usava o equipamento de segurança, não se feriu, já Rodrigo, que estava sem cinto, foi arremessado para fora do carro e, desde então, passou por cirurgias múltiplas na cabeça e na perna, onde teve fratura exposta.

De acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, apenas 54,6% dos brasileiros afirmam sempre utilizar o cinto quando sentam no banco de trás do veículo. No Paraná, o número aumenta para 74,4% e, na capital, 79,1%. Entre as cidades do Sul, Florianópolis é a que apresenta o menor percentual de pessoas que utilizam o dispositivo, apenas 55,1%. Já Porto Alegre, fica mais à frente, com 67,9%.

A falsa sensação de segurança é causada, normalmente, por trajetos de curta distância ou pela ideia de que os bancos do motorista e do passageiro são capazes de proteger em caso de acidente. O mestre em engenharia de transportes e professor do curso de Engenharia Civil da Universidade Positivo (UP), Hugo Alexander Martins Pereira, explica que o uso do cinto é fundamental para que o passageiro não seja arremessado em direção ao primeiro obstáculo que encontrar na frente, em caso de colisão. “No acidente, há uma relação entre o peso da pessoa e a aceleração em que o veículo se encontra, gerando uma força. O uso do cinto impede que o passageiro seja arremessado para frente, na direção do para-brisa, ou, em colisões laterais, para fora do carro”, detalha.

Por conta dessa força que causa o lançamento da pessoa sem cinto, no caso de acidente, ela pode levar riscos até mesmo para outros passageiros do carro que estejam utilizando o dispositivo. “Na colisão frontal ou traseira, o passageiro pode ser projetado contra o condutor e, mesmo que o motorista esteja usando o cinto, esse impacto pode causar ferimentos mais graves e até a morte. O mesmo risco é provável no caso de uma colisão lateral, na qual a pessoa sem cinto pode ser arremessada contra outros passageiros que estejam no banco traseiro com ela”, alerta o especialista.

Hugo aponta ainda que, além de fornecer segurança, o uso do cinto é obrigatório, tanto nos bancos da frente quanto no traseiro. “Conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro, não usar o cinto de segurança é uma infração grave, independentemente se é o condutor ou os passageiros que estejam sem o equipamento”, ressalta. A empresa de aplicativo que realizava o transporte de Rodrigo mudou a política de segurança após o acidente. Agora, o motorista pode cancelar a viagem caso o passageiro se recuse a usar o cinto.

O cinto de segurança é um dispositivo que não possui vida útil apenas por tempo de uso do veículo. Porém, no caso de um acidente, o aparelho deve ser substituído depois do ocorrido. “Após a colisão, o cinto deve ser trocado imediatamente, porque todo o fator de proteção dele foi utilizado para realizar a proteção da pessoa. Se não houver nenhum tipo de acidente em que foi preciso forçar o uso do cinto para evitar essa projeção do corpo, a troca não é necessária”, esclarece o professor.

 

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em Ensino Superior entre as IES do Estado do Paraná e é uma marca de reconhecimento nacional. Com salas de aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta e mais de 400 mil metros quadrados de área verde no campus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A Instituição conta com três unidades em Curitiba (PR), uma em Londrina (PR), uma em Ponta Grossa (PR) e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de graduação, centenas de programas de especialização e MBA, seis programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam cerca de 3.500 metros quadrados. Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em up.edu.br/

Share:

Latest posts

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Large-DSC3539-Edit-1-1
Shopping celebra Dia Mundial do Rock com programação para crianças
Palladium Curitiba promove diversas atrações musicais ao longo do dia Para comemorar o Dia Mundial...
Saiba mais >
Instituto Positivo
Gestores da Educação do litoral paranaense recebem formação
Projeto reúne coordenadores para melhorar a qualidade educacional No litoral paranaense, a Educação...
Saiba mais >
Palladium
Palladium lança campanha de inverno com conchas exclusivas de brinde
Conjunto de talheres faz parte da campanha colecionável O Palladium Curitiba celebra a chegada do inverno...
Saiba mais >
4031C-20240608-0228-2 - 1-
Zona leste de Londrina ganha novo empreendimento residencial
Sunny Downtown, da Construtora Yticon, conta com duas torres e fica ao lado do Boulevard Shopping A...
Saiba mais >