Artigo: A paratleta e a eutanásia

Por Cicero Urban, médico oncologista e mastologista, professor de Bioética e de Metodologia Científica na Universidade Positivo e vice-presidente do Instituto Ciência e Fé

Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos trouxeram à tona no Brasil e no mundo alguns temas bioéticos importantes. A questão do aborto tem sido objeto de intensos debates com o vírus zika – a possibilidade de contaminação foi a alegação de vários atletas para não vir ao Rio – e as Paralimpíadas levantaram um debate sobre a eutanásia. A paratleta belga Marieke Vervoort, 37 anos, reacendeu a polêmica ao afirmar que, se não tivesse a opção da eutanásia, teria cometido suicídio. Na Bélgica a eutanásia é permitida, ao contrário do Brasil e da grande maioria dos países.
Normas éticas e legais existem em virtualmente todas as sociedades com o objetivo de proteger a vida humana e regular as circunstâncias em que ela pode ou não ser prolongada. O maior patrimônio de uma sociedade – qualquer que seja – é, estruturalmente, a pessoa humana. A sociedade existe, afinal, em razão das pessoas que a constituem. Nenhuma sociedade liberal e democrática pode existir sem elaborar critérios de justiça e, dessa forma, sem deixar de limitar o exercício da autonomia individual. Limites estes impostos pela lei e previstos no próprio exercício da cidadania.
Assim, existe de fato e de direito um nexo entre a dimensão moral da vida pessoal e a sua relevância pública. O homem, enquanto membro de uma sociedade – enquanto cidadão –, deve aceitar que algumas de suas escolhas sejam limitadas e reguladas. E, no caso da eutanásia, a moral pessoal e a vida pública entram em conflito. O interesse individual das pessoas nessa temática reflete o temor da perda do controle da situação e da dignidade na fase final da vida. Esse temor está bem explícito na forma como a paratleta se manifestou.
Eutanásia é o ato de provocar diretamente e voluntariamente a morte de alguém com uma doença ou debilidade grave, com o objetivo de eliminar a dor e o sofrimento. Contudo, uma boa morte não significa apenas uma morte sem dor ou sem sofrimento, mas uma morte preparada espiritualmente e vivida no conforto da família e dos amigos, e com assistência adequada.
Além disso, sempre é bom lembrar que a eutanásia é uma decisão moral (no sentido estrito da palavra), não baseada em estudos científicos. É uma decisão baseada em valores mais que em estudos clínicos, cujos riscos éticos e as consequências sociais não são totalmente conhecidos. A sua grande fragilidade está exatamente no fato de permitir que, dentro de uma sociedade, possa ser violado o dever de não matar um ser humano inocente. Mudaria de uma forma drástica a ética hipocrática. Obrigaria que este tema fosse abordado dentro dos cursos de Medicina e alteraria o relacionamento médico-paciente. O paciente vai ao médico para um tratamento que possa salvar ou melhorar a sua vida ou para eliminá-la? E mais: quem poderia ser eliminado, se o sofrimento é uma experiência individual que não pode ser medida?
Eliminar o paciente terminal com procedimentos como a eutanásia e o suicídio assistido (ambos não são muito diferentes do ponto de vista moral) é bem mais fácil que acolher e tratar. Quando não há nada mais a ser feito, na realidade há muito ainda a ser feito. A assistência a quem está morrendo exige que sejam mantidos tratamentos que reduzam a dor e o sofrimento. Exige profissionais de saúde com uma formação técnica e humanística adequada, dedicados ao manejo da terminalidade em todas as suas dimensões.
Marieke Vervoort é um grande exemplo de superação para todos nós. Encontrou forças e motivação no esporte para seguir em frente com sua vida, apesar de todas as dificuldades e limitações. Este é o caminho a ser seguido. E a missão nossa, enquanto profissionais de saúde, é dar condições para que os pacientes vivam melhor em todas as fases de suas vidas, inclusive a fase final. A eutanásia não é a solução. Ao contrário, é a falta dela.

Share:

Latest posts

a-boy-is-reading-a-book-a-child-is-reading-2023-11-27-04-50-03-utc1
Exposição gratuita traz livros infantis reinterpretados a biblioteca de Universidade
pregnant-woman-taking-pills-or-vitamins-standing-i-2024-02-27-17-35-04-utc
Só paracetamol? Por que é tão difícil prescrever medicamentos para gestantes
fitness-women-and-city-friends-running-in-street-2023-11-27-05-20-27-utc
Mente sã, corpo são: benefícios da corrida para equilíbrio mental

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

a-boy-is-reading-a-book-a-child-is-reading-2023-11-27-04-50-03-utc1
Exposição gratuita traz livros infantis reinterpretados a biblioteca de Universidade
A exposição gratuita “Diversas leituras, múltiplas vozes” chega à Biblioteca Central da Universidade...
Saiba mais >
pregnant-woman-taking-pills-or-vitamins-standing-i-2024-02-27-17-35-04-utc
Só paracetamol? Por que é tão difícil prescrever medicamentos para gestantes
Intervenção não medicamentosa pode ser saída para mulheres grávidas lidarem melhor com episódios de dor “Grávida...
Saiba mais >
fitness-women-and-city-friends-running-in-street-2023-11-27-05-20-27-utc
Mente sã, corpo são: benefícios da corrida para equilíbrio mental
A prática da corrida vai muito além do simples exercício físico. Considerando os inúmeros benefícios...
Saiba mais >
1708725294-4501-IMG-FOTOMONTAGEM-R01 (1)
Com estrutura de lazer sofisticada, Maringá ganha novo empreendimento de alto padrão na Avenida Guedner
Seen, novo lançamento da A.Yoshii, apresenta arquitetura contemporânea em localização privilegiada Com...
Saiba mais >