Artigo: Eletrobras: gargalo brasileiro?

[flgallery id=1532 /]

Françoise Iatski de Lima*

Na quarta-feira (09), a Câmara dos Deputados deu mais um passo importante para a privatização da Eletrobras, após conseguir a aprovação na Comissão Mista Especial, que analisa a MP 814. Privatização sempre foi uma questão polêmica e diz respeito à avaliação do desempenho das empresas estatais. Sabe-se que uma firma capitalista deve visar o maior lucro possível, com um nível mínimo de custos. No entanto, ao longo da formação e consolidação do sistema produtivo estatal brasileiro, percebe-se, em grau elevado, que as empresas estatais tiveram que optar pelo crescimento e estabilização econômica. Dessa forma, como medir o nível de eficiência de uma instituição que é, ao mesmo tempo, uma empresa e um instrumento de política econômica do governo? Até que ponto deve-se sacrificar a maximização dos lucros em benefício da geração de empregos, por exemplo? E, conforme a decisão, o consumidor final é prejudicado em relação ao preço e à qualidade dos bens e serviços oferecidos.
Nesse cenário, a privatização da Eletrobras é razoável e justificada ao liberar o Estado do ônus de investir num setor tido como não essencial – educação, saúde e segurança seriam prioritários – e transmite-se a responsabilidade a empresas privadas com expertise e eficiência de gestão comprovadas no mercado específico. A privatização parece atender às expectativas da população (que teria serviço e infraestrutura mais ágeis, baratos e competitivos) e da administração pública, garantindo o máximo esforço de seus recursos, cortando custos, reduzindo gastos e “enxugando” a máquina pública.
Outro ponto que deve ser salientado é a motivação gerada pela possível concorrência. A competição impulsiona o gestor a melhorar o atendimento ao cliente, a comunicação, buscar novas tecnologias, desenvolver inovações, etc. A competição impacta na qualidade do bem e/ou serviço. Ainda, em relação ao preço, a MP 814 garante uma tarifa social que beneficia os consumidores que estão no cadastro único do governo para programas sociais, com faixa de isenção no pagamento de 60 MegaWatts-hora (MWh), por mês, aumentada para 80 MegaWatts-hora (MWh).
Essa discussão faz lembrar os momentos vividos na década de 1990, quando foi privatizado o Sistema de Telecomunicações Brasileiro. A chegada da telefonia móvel, da internet e novas mídias foi um desafio pesado para permanecer somente no âmbito do Estado. A infraestrutura estatal não era compatível com as exigências das inovações que surgiam. Quem teve uma linha da Telepar lembra como era – fila de espera de mais ou menos dois anos e/ou desembolso de muitas unidades monetárias para comprar uma linha telefônica, fora outras características que encareciam as ligações. Era um gargalo que não abastecia a expectativa popular pelos serviços. Na época, alegava-se que a privatização pioraria as condições de acesso e preços aos consumidores. Atualmente, percebe-se os benefícios do processo.
Quanto ao desemprego gerado, deve-se dar a segurança devida ao trabalhador que será desligado sem justa causa, no entanto, sustentar uma empresa onerosa para a sociedade para privilegiar e/ou gerar empregos para poucos, frente à população desempregada pelo efeito do déficit público, pode ser muito custoso para a empresa e gerar um sistema deficitário cada vez mais viciado.
 
*Françoise Iatski de Lima é mestre em Desenvolvimento Econômico e professora da Universidade Positivo (UP).

Share:

Latest posts

Sicredi
Associados com cartões Sicredi têm acesso exclusivo à pré-venda da turnê PaGGodin, de Léo Santana
 Prati-Donaduzzi
Apoio e acolhimento: imigrantes e refugiados conquistam oportunidade de crescimento em empresas brasileiras
Estudo clínico realizado pela farmacêutica em parceria com a USP de Ribeirão Preto é o único em andamento no país Créditos: Prati-Donaduzzi
Canabidiol ganha mercado e chega a 4 anos de comercialização em farmácias, desde que foi lançado por farmacêutica que abriu setor no Brasil

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Sicredi
Associados com cartões Sicredi têm acesso exclusivo à pré-venda da turnê PaGGodin, de Léo Santana
Além da compra antecipada, usuários do cartão contam com desconto especial de 20% na aquisição dos ingressos...
Saiba mais >
 Prati-Donaduzzi
Apoio e acolhimento: imigrantes e refugiados conquistam oportunidade de crescimento em empresas brasileiras
Número de trabalhadores estrangeiros no país saltou de 62 mil para 181 mil em uma década; jovem do Senegal...
Saiba mais >
Estudo clínico realizado pela farmacêutica em parceria com a USP de Ribeirão Preto é o único em andamento no país Créditos: Prati-Donaduzzi
Canabidiol ganha mercado e chega a 4 anos de comercialização em farmácias, desde que foi lançado por farmacêutica que abriu setor no Brasil
Incorporação no SUS deve ampliar acesso do medicamento à população; Prati-Donaduzzi investe em pesquisas...
Saiba mais >
Créditos: divulgação
Inscrições para Cursinho Solidário vão até o dia 25
Projeto oferece aulas gratuitas para vestibulandos As inscrições para o semiextensivo do Cursinho Solidário,...
Saiba mais >