Artigo: Entendendo o desemprego

[flgallery id=222 /]

Por José Pio Martins, economista e reitor da Universidade Positivo

Segundo o IBGE, o desemprego rompeu a barreira dos 10% da população economicamente ativa (aquela em condições de trabalhar), chegando a 11 milhões de desempregados. É uma situação muito grave. A primeira observação é: o número de pessoas trabalhando depende do tamanho do Produto Interno Bruto (PIB). Quando o PIB de 2014 ficou do mesmo tamanho do ano anterior e o de 2015 caiu 3,5%, a consequência natural seria o aumento do desemprego que viria mais adiante. E veio.
Há pelo menos três tipos de desemprego. O primeiro é o desemprego keynesiano (explicado por John Maynard Keynes na grande depressão de 1930). Neste, a causa é a insuficiência de demanda agregada (consumo das pessoas, consumo do governo, investimentos das empresas, investimento do governo e demanda do resto do mundo). Caindo a demanda, a produção é reduzida, pessoas são demitidas e parte do estoque capital (fábricas, infraestrutura, máquinas, equipamentos etc) entra em ociosidade.
O segundo é o desemprego marxiano (explicado por Karl Marx no período 1850-1870). Neste, há insuficiência de capital para ocupar toda a mão de obra disponível. Ou seja, mesmo que haja demanda, a estrutura de capital produtivo não é capaz de absorver todas as pessoas em condições de trabalhar, e há duas consequências: aumento do desemprego e queda dos salários. Neste ponto reside a essência da bronca de Marx com o capitalismo, para quem o sistema promoveria a redução de salários pelo excesso de pessoas procurando trabalho.
No tempo de Marx (ele morreu em 1883), a Revolução Industrial estava no começo e não havia capital instalado para ocupar toda a mão de obra disponível, entre outras razões, porque a população crescia exponencialmente. Em 1830, o mundo tinha 1 bilhão de habitantes e, em 1930, 2 bilhões. Ou seja, o dobro em apenas 100 anos. Ao dizer que a religião era o “ópio das massas”, Marx acusou a igreja de criar o conformismo entre os pobres e nada fazer para conter a explosão da população.
O terceiro é o desemprego tecnológico. Em 1970, o Brasil tinha 46% da população vivendo na zona rural. Hoje, apenas 12% dos brasileiros vivem no campo, como resultado das tecnologias produtivas, que diminuem a necessidade de gente. Nas últimas décadas, o mesmo aconteceu com a indústria de transformação. A expressão “colarinho branco” surgiu em meados da década 1950, quando o número de empregados de macacão na lavoura e nas fábricas tornou-se menor que o número de trabalhadores em setores administrativos e de serviços. No futuro, a maioria das fábricas irá operar praticamente sem operários, substituídos por robôs sapiens.
No Brasil, os três tipos de desemprego estão presentes. A compreensão desse problema não é tão simples quanto transparece nas discussões de nossos governantes, dos parlamentares e da maioria dos dirigentes sindicais. Certamente, a maioria deles nunca parou para estudar seriamente o tema e fazer um debate profundo sobre essa problemática (ressalvadas as honrosas exceções de praxe), livres de cacoetes partidários e ideológicos.
Afora os periódicos especializados, a imprensa em geral também perpassa esse assunto, roçando a superfície do tema sem se aprofundar em explicações teoricamente mais elaboradas. Isso é ruim, porquanto se trata de uma das mais complexas e graves questões sociais. Voltarei ao tema em outro artigo.

Share:

Latest posts

a-boy-is-reading-a-book-a-child-is-reading-2023-11-27-04-50-03-utc1
Exposição gratuita traz livros infantis reinterpretados a biblioteca de Universidade
pregnant-woman-taking-pills-or-vitamins-standing-i-2024-02-27-17-35-04-utc
Só paracetamol? Por que é tão difícil prescrever medicamentos para gestantes
fitness-women-and-city-friends-running-in-street-2023-11-27-05-20-27-utc
Mente sã, corpo são: benefícios da corrida para equilíbrio mental

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

a-boy-is-reading-a-book-a-child-is-reading-2023-11-27-04-50-03-utc1
Exposição gratuita traz livros infantis reinterpretados a biblioteca de Universidade
A exposição gratuita “Diversas leituras, múltiplas vozes” chega à Biblioteca Central da Universidade...
Saiba mais >
pregnant-woman-taking-pills-or-vitamins-standing-i-2024-02-27-17-35-04-utc
Só paracetamol? Por que é tão difícil prescrever medicamentos para gestantes
Intervenção não medicamentosa pode ser saída para mulheres grávidas lidarem melhor com episódios de dor “Grávida...
Saiba mais >
fitness-women-and-city-friends-running-in-street-2023-11-27-05-20-27-utc
Mente sã, corpo são: benefícios da corrida para equilíbrio mental
A prática da corrida vai muito além do simples exercício físico. Considerando os inúmeros benefícios...
Saiba mais >
1708725294-4501-IMG-FOTOMONTAGEM-R01 (1)
Com estrutura de lazer sofisticada, Maringá ganha novo empreendimento de alto padrão na Avenida Guedner
Seen, novo lançamento da A.Yoshii, apresenta arquitetura contemporânea em localização privilegiada Com...
Saiba mais >