Como estimular o empreendedorismo desde cedo?

Brasil é um dos países mais empreendedores do mundo, mas mentalidade empreendedora precisa ser incentivada desde primeiros anos de vida

A Global Entrepreneurship Monitor (GEM) de 2021, pesquisa realizada pelo Sebrae em parceria com o Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), mostrou que o Brasil está entre os países mais empreendedores do mundo, ocupando o quinto lugar no ranking que avalia a Taxa de Empreendedorismo Total (TTE). Apesar do bom resultado, a mentalidade empreendedora não nasce pronta e, portanto, um futuro de inovação não é garantido. É preciso estimular crianças e jovens, desde cedo, a ter um pensamento empreendedor.

Na mesma pesquisa, o Brasil também ficou em quinto lugar na lista de Potenciais Empreendedores, que leva em conta o número de pessoas com idade entre 18 e 64 anos que ainda não empreende, mas pretende empreender. Nesse quesito, o país está atrás apenas do Cazaquistão, Egito, República Dominicana e Omã. Para o coordenador da Conquista Solução Educacional, Ivo Erthal, isso revela uma oportunidade única de desenvolver um ambiente de negócios altamente inovador. “Os índices apresentados demonstram que há um enorme potencial para o futuro do país, mas precisamos garantir que esse potencial não se perca. Uma das formas de fazer isso é assegurar uma educação empreendedora para nossas crianças e adolescentes”, afirma.

Empreendedores mirins

Não há limite de idade quando a ideia é estimular o empreendedorismo. Mesmo as crianças mais novas podem desenvolver uma mentalidade empreendedora, segundo o especialista. Uma das formas de fazer isso é mostrar a elas que o ambiente em que elas vivem é impactado por suas ações. “Isso pode ser feito pedindo para que os pequenos guardem seus brinquedos, recolham a louça após as refeições e arrumem o próprio quarto, por exemplo”, detalha. Embora pareçam atividades corriqueiras, elas permitem que a criança desenvolva autonomia e iniciativa, características indispensáveis para empreendedores. “A partir dos três anos, já é possível desenvolver comportamentos, desde que os adultos responsáveis saibam como usar uma linguagem de estímulo apropriada e propor atividades e desafios adequados a cada faixa etária”, completa.

Autonomia é justamente uma das palavras-chave para atingir esse objetivo. É essa habilidade que vai permitir que os pequenos se tornem protagonistas da própria história e, consequentemente, estejam mais propensos a empreender no futuro. “Protagonismo é agir com base no conhecimento e na informação. Nosso objetivo, enquanto pais e educadores, precisa ser a construção de atitudes baseadas em valores como a solidariedade, a ética, o respeito e a criatividade”, lembra Erthal. Empreender não é, portanto, um conceito meramente ligado ao dinheiro, mas uma forma de ser um cidadão que contribui com a resolução de problemas sociais.

Mentalidade empreendedora vai além dos ganhos financeiros

É preciso estimular a mentalidade empreendedora ao longo da infância – e essa missão nem sempre tem a ver com falar sobre ganhos financeiros. O especialista aponta algumas formas de cumprir com a tarefa, independentemente da idade da criança. A primeira é ensiná-la a cuidar de seus objetos pessoais e do material escolar. A segunda é criar nela o hábito de usar expressões como “por favor” e “obrigado”, o que ajuda a melhorar o convívio social. Outra boa estratégia pode ser adotar um bichinho de estimação, porque isso ensina sobre cuidados e responsabilidades, fundamentais para quem quer empreender.

Também é muito importante, diz Erthal, estimular que a criança compartilhe brinquedos, lanches e outros objetos que são dela, seja com outras crianças, seja em outros círculos sociais. Por fim, depois que ela completa cinco ou seis anos, que é quando começa a ter noção de quantidades, os pais podem começar a falar sobre moeda e dinheiro. “Conversar sobre o valor do dinheiro, como ele é ganho e a importância de saber utilizá-lo cotidianamente é um dos primeiros passos para criar um futuro empreendedor”, finaliza o educador.

_____________________________________________

Sobre a Conquista Solução Educacional

A Conquista é uma solução educacional que oferece aos alunos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e do Ensino Médio uma proposta de educação que tem quatro pilares: a educação financeira, o empreendedorismo, a família e a educação socioemocional. Com diversos recursos, material didático completo e livros de Empreendedorismo e Educação Financeira, o objetivo da solução é ajudar, de forma consistente, os alunos no processo de aprendizagem e estimular o desenvolvimento de suas capacidades. Atualmente, mais de 2 mil escolas de todo o Brasil utilizam a solução. 

Share:

Latest posts

Luara Mandelli é um exemplo de atleta que tem conseguido participar de campeonatos graças aos seus patrocínios, como o da ClearCorrect Créditos: Lorenzo Bazo
Patrocínios impulsionam sonhos olímpicos
Parintins (1)
Do sertanejo à comédia, Teatro Positivo divulga programação de março
3670c-20210320-0112 (1)
Iluminação de interiores: conforto visual e sofisticação em cada detalhe

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Luara Mandelli é um exemplo de atleta que tem conseguido participar de campeonatos graças aos seus patrocínios, como o da ClearCorrect Créditos: Lorenzo Bazo
Patrocínios impulsionam sonhos olímpicos
Mesmo com muita garra e persistência, apoio de empresas é fator determinante para diversos atletas brasileiros É...
Saiba mais >
Parintins (1)
Do sertanejo à comédia, Teatro Positivo divulga programação de março
Além dos shows e peças teatrais, Teatro recebe espetáculos do tradicional Festival de Curitiba espetáculos...
Saiba mais >
3670c-20210320-0112 (1)
Iluminação de interiores: conforto visual e sofisticação em cada detalhe
Arquiteta da A.Yoshii dá dicas sobre o uso da iluminação para transformar ambientes e criar verdadeiras...
Saiba mais >
©2021 Ebraim Martini
Em busca de um carro por assinatura? Confira dicas para não errar na escolha do plano
Com opções contratuais de 12, 18 e 24 meses e franquias de 500 a 2 mil quilômetros por mês, especialista...
Saiba mais >