Dia do Médico (18/10): profissionais “filhos” da pandemia tiram aprendizados da covid-19

“O que me faz chegar bem em casa é saber que hoje dei alta para o seu Aurélio, que estava há quatro meses internado no hospital. O que me faz acordar de manhã é pensar que tenho que ver como está a dona Etelvina, porque preciso saber o resultado de um exame importante. E não é apenas uma questão de obrigação, quero estar lá e ver meus pacientes voltando com saúde para casa”. Esse é o relato de Fernanda Proença Lepca, residente médica do Hospital Universitário Cajuru (HUC), instituição com atendimento 100% SUS localizada em Curitiba (PR).

Ela compõe a parcela feminina de residentes, que no Brasil chega a 55% do total de acordo com um estudo da Universidade do Estado de São Paulo (USP). Os números impressionam: existem mais de 4 mil programas, 55 especialidades médicas e 59 áreas diferentes de atuação. Somente no HUC, são ofertadas mais de 50 novas vagas por ano em 20 especialidades, com destaque para Clínica Médica, Neurologia e Medicina de Família.

“Como hospital-escola, temos o papel de unir educação, atendimento de qualidade à população e pesquisa, por isso somos terreno fértil para o desenvolvimento prático de profissionais recém-formados”, avalia a coordenadora da residência de Clínica Médica do hospital, Larissa Hermann Nunes. “Nesses poucos meses, vivi o período de maior aprendizado da minha vida. Já sou uma médica muito melhor do que quando entrei”, confirma a residente Fernanda.

“Mais do que uma profissão, uma doação diária. Com a formação de futuros médicos em meio à covid-19, não é diferente. Não somente no Brasil, mas nos quatro cantos do mundo, a medicina e os hospitais tiveram que se desdobrar e se adaptar de inúmeras formas. Por mais que tenhamos oportunidades de reconhecermos lições a serem tiradas do momento em que estamos vivendo, a verdade é que os ‘filhos’ da pandemia se tornarão médicos diferenciados”, indica o médico intensivista, professor e diretor-geral do HUC, Juliano Gasparetto.

Tecnologia e humanização andam juntas

Dois mil e quinhentos anos. Esse é o tempo que precisaríamos voltar se quiséssemos assistir ao início da medicina embasada na ciência. Os experimentos de Hipócrates davam luz à constatação de que os males do corpo eram consequência de um desequilíbrio do organismo. De lá para cá, muita coisa mudou. Até metade do século 20, os médicos passavam seus dias com maleta em mãos, de casa em casa. Então as cidades cresceram, o conhecimento aumentou e a tecnologia avançou. A maleta ficou pequena para tantos instrumentos e possibilidades da profissão.

Em 2020, mais uma vez, a necessidade de reinvenção bateu à porta com a covid-19. “A inovação é o caminho para a cura e para a qualidade de vida de nossos pacientes. Investimos em robôs para cirurgias, aplicativos para agilizar consultas e em telemedicina para eliminar fronteiras, tudo isso, sem deixar de levar treinamento e capacitação de ponta aos nossos médicos”, explica o gerente médico do Hospital Marcelino Champagnat, Rogério de Fraga.

Apesar da importância da tecnologia para o sucesso do cuidado, é preciso valorizar sempre o fator humano. “A ciência tem as respostas técnicas, mas somos nós que temos as respostas humanizadas. Esse acolhimento veio para ficar e, certamente, as instituições mais responsáveis estão atentas a essas condutas, incorporando-as às suas diretrizes assistenciais”, destaca o diretor-geral do Hospital Universitário Cajuru, Juliano Gasparetto.

Share:

Latest posts

Créditos: Rutenio Júnior
Shopping promove tributo à banda RBD
Crédito: Envato
Por que empresas de sucesso apostam na diversidade?
mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

Créditos: Rutenio Júnior
Shopping promove tributo à banda RBD
O Ventura Shopping realiza, nesta sexta-feira, 19 de julho, às 19h30, um tributo ao RBD como parte da...
Saiba mais >
Crédito: Envato
Por que empresas de sucesso apostam na diversidade?
Companhias que promovem a diversidade colhem benefícios como inovação, criatividade e um ambiente de...
Saiba mais >
mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios
Evento vai reunir profissionais do setor no dia 22 de julho, às 19h, na Fazenda Churrascada Ampliar...
Saiba mais >
Comum entre crianças e adolescentes, desalinhamento dental causa dificuldades na mastigação e fala, distúrbios no sono e pode ocasionar perda de dentes Créditos: Envato
Mais de 35% dos adolescentes brasileiros possuem condição de saúde bucal que pode afetar a qualidade de vida; saiba qual
Impactos, além da estética, incluem função mastigatória e saúde das articulações A má oclusão, conhecida...
Saiba mais >