Notícias Central Press

É possível trabalhar para viver e não viver para trabalhar? País reconhecido pela felicidade mostra que sim

Postado no dia: 29 de abril de 2021
É possível trabalhar para viver e não viver para trabalhar? País reconhecido pela felicidade mostra que sim
  1. Tineke Voorsluys, conselheira da Associação Cultural Brasil Holanda.Créditos: Tineke Voorsluys/Divulgação

*Tineke Voorsluys

Carreira e vida familiar são, quase sempre, um embate para brasileiros. Com jornadas de trabalho longas e que, muitas vezes, envolvem mais de uma ocupação, cuidar da casa e da família são planos que ficam somente para as poucas horas vagas do dia. No Brasil, trabalhar somente meio período e melhorar a  qualidade de vida são ideais que parecem não combinar com a realidade. Mas outras culturas e países mostram que isso é possível Na Holanda, por exemplo, muitos profissionais buscam viver dessa maneira. O país é reconhecido pela ONU como um dos dez lugares mais felizes do mundo.

Dados do Gabinete de Estatísticas da União Europeia mostram que a Holanda tem uma das maiores taxas de pessoas trabalhando meio período. Números de 2017 revelaram que quase metade da população está empregada dessa maneira, trabalhando cerca de 30,3 horas semanais, sendo que a média da União Europeia é de 19,7% dos europeus atuando dessa forma, com uma jornada média de 37,7 horas por semana. E se as realidades de Brasil e Holanda são tão diferentes nesse ponto, como é a rotina dos imigrantes que optaram por levar a vida em terras brasileiras? 

Para quem veio ao Brasil, a rotina foi diferente do que vemos na Europa. Para começar a vida do zero, foi necessário trabalhar em jornadas intermináveis. Além disso, em muitos casos, os holandeses que vieram para a América buscaram trabalhar no seu próprio negócio, principalmente com agricultura e pecuária, o que fez com que a carga de trabalho e de compromisso fossem ainda maiores para garantir renda e sucesso. 

Outro fator que deve ser levado em conta quando comparamos culturas e suas formas de exercer atividades é como são feitos os compromissos pessoais, como a própria limpeza da casa. No Brasil, a terceirização é comum, muitos lares contam com diaristas ou empregadas domésticas, que auxiliam nas tarefas e também no cuidado com as crianças, muitas vezes. Na Holanda, por outro lado, esse não é um hábito comum e, por isso, as responsabilidades domésticas ficam exclusivamente com a família, que acaba reservando momentos para isso. 

Além disso, a cultura holandesa preza pelos rituais que unem os familiares, por isso, estar presente na criação dos filhos, no dia a dia dos pais e avós e na rotina da casa é um pilar fundamental, que não pode ficar de lado. Na Holanda, o normal é trabalhar para viver. No Brasil, vemos que o modo é viver para trabalhar. E nada melhor que as trocas entre as culturas para mostrar que outras formas de construir a rotina são possíveis!

*Tineke Voorsluys, conselheira da Associação Cultural Brasil Holanda

Todas as notícias