Médico e maestro: mãos que aplicam técnica médica também levam conforto por meio da música

Profissional compartilha os dois talentos e percorre corredores de hospitais como regente de um dos principais corais do Paraná

Leitos de enfermaria, de UTI, consultórios e corredores hospitalares. Esses são locais familiares para o médico Bruno Spadoni. Vestindo seu jaleco branco, com estetoscópio e precisão clínica, ele atende dezenas de pacientes diariamente nos hospitais São Marcelino Champagnat e Universitário Cajuru, em Curitiba (PR). Mas as mãos que aplicam a técnica médica também preenchem esses espaços com ritmo, leveza e musicalidade. 

Bruno é regente de um dos principais corais do Paraná: o Madrigal Vocale. Com frequência, ele percorre hospitais levando música e conforto aos pacientes, seus familiares e profissionais da saúde. Nesta época do ano chega o momento de apresentar as músicas natalinas em busca de conforto em momentos tão delicados. E foi o que ele fez justamente no Pronto Socorro, nas UTIs, nos corredores dos hospitais onde o maestro também atua como médico. “Para a recuperação e tratamento dos pacientes, a música é uma forma de direcionar a mente e a alma para sentimentos mais leves e bonitos. O paciente esquece um pouco a doença. É como se abrisse uma janela para as coisas boas da vida, em oposição à dor e ao sofrimento”, avalia o clínico médico e músico.

A paixão pela música começou cedo. Aos cinco anos de idade, Bruno ganhou o primeiro violão e começou a cantar no coral da Igreja, na cidade de Rio Verde, interior de Goiás. Aos 14 anos, mudou-se para Curitiba para iniciar os estudos no ensino médio. Na capital paranaense, conheceu o Madrigal Vocale, coral recém-fundado pelo padre José Penalva. Nessa época, também começou a cantar na Camerata Antiqua da cidade. Foram anos conciliando os dois corais, mas devido à faculdade de medicina, foi preciso optar por um deles, e Bruno seguiu no Madrigal Vocale.

Em 1992, o músico concluiu a faculdade de medicina. Dois anos depois, quando terminou a residência, começou a atuar profissionalmente no Hospital Universitário Cajuru. Já são quase 30 anos como médico da instituição. Em 2011, Bruno também passou a integrar a equipe médica do recém inaugurado Hospital São Marcelino Champagnat, na capital paranaense.

Musicalização nos hospitais

O primeiro relato de música aplicada à prática de humanização em saúde é do ano de 1859, feito pela enfermeira Florence Nightingale, considerada a fundadora da Enfermagem Moderna. Anos mais tarde, na Universidade da Columbia, nos Estados Unidos, a musicista e enfermeira Isa Maud Ilsen criou a “Associação Nacional de Música nos Hospitais”, sendo pioneira no ensino de musicoterapia na universidade. Também há registros do uso da música no tratamento da dor física e emocional de feridos nas I e II Guerras Mundiais. 

Ao longo da história, a utilização da música para o alívio de sintomas físicos e mentais tem evoluído. Estudos indicam que as variações na técnica de audição musical podem resultar em anestesia ou relaxamento. A primeira refere-se ao uso da música para potencializar os efeitos de drogas anestésicas e analgésicas, ou para reduzir/controlar a dor e a ansiedade associadas a ela. Já a segunda refere-se à escuta musical como meio de redução do estresse, tensão e ansiedade, induzindo o corpo ao relaxamento.

No Brasil, um estudo realizado com 50 pacientes internados na enfermaria do Hospital Regional de Barbacena Dr. José Américo, vinculado à Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais, concluiu que a música teve um impacto positivo nos dados vitais e na percepção dos pacientes. Durante sessões de musicoterapia à beira do leito, com duração de 15 minutos cada, os participantes experimentaram uma significativa redução da dor, bem como diminuição da pressão arterial e frequência respiratória. O estudo, realizado entre fevereiro e agosto de 2016, teve seus resultados publicados na Revista Médica de Minas Gerais.

No ambiente hospitalar, é perceptível o impacto positivo que a música proporciona, conforme observado pela analista de Pastoral Sênior dos hospitais Universitário Cajuru e São Marcelino Champagnat, Telma Rodrigues. Regente de coral e com formação em música, incluindo especialização em musicoterapia, ela destaca: “Eu estudei e conheço na teoria os benefícios da música para pacientes, familiares e funcionários do hospital. Na prática diária, comprovo o que as pesquisas afirmam: a música realmente faz a diferença nos tratamentos.”

Share:

Latest posts

_- 65 - 2-
Arte da sustentabilidade: exposição gratuita apresenta itens decorativos inovadores feitos com resíduos da construção civil
diadecampo-2024 (1)
Ford Slaviero participa da 19.ª edição do Dia de Campo 2024 da Cooperativa Bom Jesus
Programa de estágio do Grupo Marista contempla áreas como medicina, enfermagem, farmácia, administração, gestão de pessoas, marketing, entre outras Créditos: Divulgação
Estágio dentro de hospitais-escola transforma olhar de estudantes de várias áreas

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

_- 65 - 2-
Arte da sustentabilidade: exposição gratuita apresenta itens decorativos inovadores feitos com resíduos da construção civil
Até 1.º de março, Instituto A.Yoshii destaca mais de 40 obras únicas criados nos projetos Obra&Arte...
Saiba mais >
diadecampo-2024 (1)
Ford Slaviero participa da 19.ª edição do Dia de Campo 2024 da Cooperativa Bom Jesus
Realizado na Lapa (PR), evento destaca inovações em tecnologia para produção agrícola e pecuária Marcada...
Saiba mais >
Programa de estágio do Grupo Marista contempla áreas como medicina, enfermagem, farmácia, administração, gestão de pessoas, marketing, entre outras Créditos: Divulgação
Estágio dentro de hospitais-escola transforma olhar de estudantes de várias áreas
Experiência aproxima academia e assistência, unindo formação, atendimento à população e pesquisa Com...
Saiba mais >
Inscrições abertas para programa de estágio em hospitais
Até o dia 8 de março, os hospitais São Marcelino Champagnat e Universitário Cajuru estão com inscrições...
Saiba mais >