Tecnologia em ácido sulfúrico equilibra produção e economiza recursos em plantas de celulose

[flgallery id=3155 /]

Solução desenvolvida pela Valmet na Finlândia melhora balanço de sódio e enxofre, o que pode gerar economia de US$ 8 a 10 milhões por ano em plantas de grande capacidade

A Valmet apresentou ao mercado brasileiro recentemente uma nova tecnologia de produção de ácido sulfúrico. A técnica pioneira, desenvolvida para a fábrica da Metsä Fibre, na Finlândia, apresentou resultados positivos no equilíbrio de sódio e de enxofre na produção de celulose.

Ministrada no último dia 6 de maio pelo engenheiro de produto da Valmet, Lucas Fonseca, o webinar “Tecnologia de Ácido Sulfúrico”, realizada em parceria com a ABTCP, trouxe dados importantes e reveladores para o mercado de papel e celulose, como uma potencial economia de recursos necessários com o make-up de químicos (NaOH) devido a redução de eliminação de resíduos do processo, além da possibilidade de utilização de ácido sulfúrico gerado internamente na planta em processos como branqueamento, tratamento de cinzas, separação de lignina e ajuste de pH no tratamento de efluentes. 

“Essa solução é uma nova referência global, pois podemos conseguir um equilíbrio muito consistente no balanço químico, gerando grandes economias nos custos de insumos. Por exemplo, em uma planta com capacidade de 2 milhões de toneladas de celulose, a estimativa é que a fábrica poderá obter uma economia de aproximadamente US$ 8 a 10 milhões em um ano”, explica Fonseca.

A utilização de ácido sulfúrico, gerado a partir do enxofre já em circulação na fábrica, é importante pois reduz o enxofre excedente no ciclo químico e diminui a necessidade de purgas, que também eliminam sódio. O processo de fabricação de celulose produz gases não-condensáveis (NCG), que são compostos orgânicos voláteis, ricos em enxofres e que podem se tornar explosivos caso não sejam processados com segurança – o que torna a tecnologia da Valmet sustentável e benéfica ao meio-ambiente. “Ela reduz emissões atmosféricas através do tratamento dos NCGs; reduz geração de efluentes para a água e para o solo, através da redução das purgas, e ainda produz internamente um ácido sulfúrico de qualidade superior ao adquirido no mercado, a uma concentração de cerca de 60 a 70%”, salienta o engenheiro.

O gerente de Vendas da área de Recuperação da Valmet, Felippe Rosa, destaca que a tecnologia, que já possui alguns anos de operação na fábrica da Metsä Fibre Äänekoski, já despertou interesse de clientes na América do Sul, e em breve as plantas de ácido sulfúrico a partir de gases não condensáveis devem se tornar populares em outros mercados de celulose prósperos, como o sul-americano. “O fato de existir a referência em operação na fábrica finlandesa e, mais recentemente um pré-acordo para uma segunda planta com o mesmo conceito em outra fábrica do mesmo grupo (Metsä Kemi), torna a discussão com os clientes sul-americanos baseada em fatos e dados e isto deixa ambos, fornecedor de tecnologia e produtor de celulose, mais confortáveis nas tomadas de decisão”. 

Sobre a Valmet

A Valmet é a principal desenvolvedora e fornecedora global de tecnologias de processo, automação e serviços para as indústrias de celulose, papel e energia. Sua atuação de tecnologia inclui fábricas de celulose, linhas de produção de papel, cartão e papel, além de usinas de energia para produção de bioenergia. Seus serviços e soluções de automação melhoram a confiabilidade, o desempenho dos processos, e aprimoram a utilização de matérias-primas e energia.

As vendas líquidas da Valmet em 2019 foram de aproximadamente 3,5 bilhões de euros. A empresa possui mais de 13.000 profissionais em todo o mundo, com sede em Espoo, Finlândia e suas ações estão listadas na Nasdaq Helsinki. Na América do Sul, possui unidades em Araucária-PR, Sorocaba-SP, Campinas-SP, Belo Horizonte-MG, Imperatriz (MA) e Concepción, no Chile. www.valmet.com.br.

Share:

Latest posts

volta2
Projeto da rede pública de Mariópolis vence concurso nacional de Educação
Aposentada Anete Langaro retomou atividades dias após realizar artroplastia total de joelho Créditos: Arquivo pessoal
Técnicas avançadas favorecem cirurgias menos invasivas em idosos
Tatielle Alyne, atleta de futebol feminino de 19 anos, tem difícil missão de lidar com uma lesão enquanto corre atrás de seus sonhos no esporte Créditos: Arquivo pessoal
Mulheres enfrentam maior risco de lesões em joelhos na prática de esporte

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

volta2
Projeto da rede pública de Mariópolis vence concurso nacional de Educação
Trabalho sobre diferentes culturas foi feito com turma da Educação Infantil O projeto “Vamos dar a...
Saiba mais >
Aposentada Anete Langaro retomou atividades dias após realizar artroplastia total de joelho Créditos: Arquivo pessoal
Técnicas avançadas favorecem cirurgias menos invasivas em idosos
Hospitais registram crescimento superior a 40% em procedimentos para pacientes acima de 70 anos; avanços...
Saiba mais >
Tatielle Alyne, atleta de futebol feminino de 19 anos, tem difícil missão de lidar com uma lesão enquanto corre atrás de seus sonhos no esporte Créditos: Arquivo pessoal
Mulheres enfrentam maior risco de lesões em joelhos na prática de esporte
Estudos indicam que chance é até oito vezes maior entre as jogadoras e o futebol é campeão nesse tipo...
Saiba mais >
Espaços para prática da fé em hospitais são demonstração de respeito às necessidades de pacientes e familiares Créditos: Divulgação
Espaços para prática da fé e espiritualidade são aliados no tratamento e internações médicas
Acolhimento se estende a pacientes, familiares e profissionais da saúde, com iniciativas perto de centros...
Saiba mais >