MEC debate política de alfabetização: o que falta para que crianças brasileiras aprendam a ler e escrever na idade certa?

Somente quatro a cada dez crianças brasileiras concluíram o 2º ano do Ensino Fundamental alfabetizadas em 2021. Os dados foram apresentados em uma reunião entre o Ministério da Educação (MEC) e a União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e mostram um cenário desolador no país. Quase metade dos estudantes brasileiros não está aprendendo a ler e escrever na idade que deveria.

Historicamente, o Brasil enfrenta uma série de desafios para conseguir alfabetizar suas crianças até os sete anos de idade, como recomendado por especialistas do mundo inteiro. Em uma nação tão desigual, investir em políticas públicas é um dos caminhos mais seguros para garantir que todas as crianças tenham as mesmas oportunidades de aprender. É a Política Nacional de Alfabetização, que permite que eventuais problemas no processo de alfabetização possam ser identificados e corrigidos a qualquer tempo, e não apenas no 2º ano do Ensino Fundamental.

Para a diretora pedagógica da Aprende Brasil Educação, Acedriana Vogel, “longe de visão romântica ou mesmo ingênua, a alfabetização é um processo complexo e sofisticado, do ponto de vista humano, e exige esforço plural: governo, professores, estudantes e famílias precisam caminhar juntos para melhorar a Política Nacional de Alfabetização de tal forma que haja melhoria dos resultados como nação”. A especialista explica que isso precisa ser feito com foco em alguns pontos estratégicos.

O primeiro – e, talvez, mais relevante – ponto é o investimento na formação em serviço de professores da Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Trata-se de mantê-los em constante aperfeiçoamento e usar práticas exitosas como referência em âmbito nacional. Depois, é preciso considerar a qualidade dos recursos didáticos disponibilizados para esses professores no trabalho com a aquisição da leitura e da escrita. “Precisamos de propostas engajadoras e desafiantes, adequadas às possibilidades de trabalho com cada faixa etária e que também considerem os interesses dos estudantes”, ressalta.

Nesse sentido, algumas das respostas mais contundentes para o problema vêm, atualmente, da própria escola pública. Um dos programas utilizados em alguns municípios, o Letrix, mapeia onde cada estudante se encontra no processo de leitura e escrita para, a partir daí, propor jogos, brincadeiras e atividades variadas que consideram aspectos importantes para a aprendizagem, como autoconfiança, perseverança e cooperação. É uma forma de resgatar as crianças que, por uma ou outra razão, não puderam ser alfabetizadas no período ideal.

A tecnologia precisa ser uma aliada

Segundo Acedriana, outro ponto importante é o investimento em tecnologia, que deve conversar com os recursos impressos acessados pelos estudantes. “O foco desse investimento deve se concentrar na velocidade dos diagnósticos a serviço da qualidade da intervenção pedagógica, bem como na possibilidade de personalização, considerando os diferentes tempos e maneiras de aprender”, afirma. Os diagnósticos, aliás, são indispensáveis nessa trajetória, porque o ser humano aprende a partir de associações com aquilo que já sabe. Avaliar o aprendizado de forma contínua e consistente permite que o professor trace novos percursos mais rápidos e eficientes para garantir os processos de alfabetização previstos para aquele momento da escolaridade.

Por fim, há um papel importante que não pode ser desempenhado pela escola: o da família. “É muito potente para o estudante a vibração de sua família com cada conquista, criando estratégias em casa que valorizem a leitura e incentivando os registros escritos, desde as hipóteses mais rústicas de cada criança”, destaca.

Redução de desigualdades

A alfabetização habilita o desenvolvimento de competências importantes para o pleno exercício da cidadania. Não à toa, ler e escrever foi privilégio das classes mais abastadas da sociedade por vários séculos, antes de serem considerados direitos fundamentais de todos os cidadãos. Portanto, o acesso ao mundo letrado é uma forma de combater a desigualdade social, pois amplia o repertório humano e permite um trânsito digno nas esferas da vida social, no mundo do trabalho, das leis e da cultura, dando acesso ao que é produzido socialmente. “A ampla atividade social possibilita a conquista de autonomia, assumindo de maneira crítica e criativa a responsabilidade pelas escolhas, assim como pelo impacto dessas escolhas na sua vida e na vida em sociedade”, finaliza a especialista.

______________________________________

Sobre o Aprende Brasil

O Sistema de Ensino Aprende Brasil oferece às redes municipais de Educação uma série de recursos, entre eles: avaliações, sistema de monitoramento, ambiente virtual de aprendizagem, assessoria pedagógica e formação continuada aos professores, além de material didático integrado e diferenciado, que contribuem para potencializar o aprendizado dos alunos da Educação Infantil aos anos finais do Ensino Fundamental. Saiba mais em http://sistemaaprendebrasil.com.br/.

Share:

Latest posts

mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios
Comum entre crianças e adolescentes, desalinhamento dental causa dificuldades na mastigação e fala, distúrbios no sono e pode ocasionar perda de dentes Créditos: Envato
Mais de 35% dos adolescentes brasileiros possuem condição de saúde bucal que pode afetar a qualidade de vida; saiba qual
Créditos Divulgação / Grupo Marista
Mulheres que apoiam mulheres: programas de mentoria ajudam profissionais a avançarem no mercado de trabalho

Sign up for our newsletter

Acompanhe nossas redes

related articles

mice
MICE promove primeiro encontro para setor de Turismo de Negócios
Evento vai reunir profissionais do setor no dia 22 de julho, às 19h, na Fazenda Churrascada Ampliar...
Saiba mais >
Comum entre crianças e adolescentes, desalinhamento dental causa dificuldades na mastigação e fala, distúrbios no sono e pode ocasionar perda de dentes Créditos: Envato
Mais de 35% dos adolescentes brasileiros possuem condição de saúde bucal que pode afetar a qualidade de vida; saiba qual
Impactos, além da estética, incluem função mastigatória e saúde das articulações A má oclusão, conhecida...
Saiba mais >
Créditos Divulgação / Grupo Marista
Mulheres que apoiam mulheres: programas de mentoria ajudam profissionais a avançarem no mercado de trabalho
Autoconhecimento e direcionamento de carreira são apostas a partir do compartilhamento de vivênciasA...
Saiba mais >
man-hands-on-the-steering-wheel-2023-11-27-05-06-20-utc (1)
Mês de Férias: dicas para evitar erros na hora de alugar um carro
Especialista orienta sobre o que checar ao sair da locadora e traz dicas para economizar na escolha do...
Saiba mais >